quinta-feira, 27 de agosto de 2009

LULISMO, PETISMO E OS MITOS POLÍTICOS NO BRASIL

                LULISMO, PETISMO E OS MITOS POLÍTICOS NO BRASIL


                                     THEODIANO BASTOS

O povo brasileiro parece procurar um Messias. A expectativa de um messias é um modismo comum que ocorre em países com alto índice de desigualdade social, baixo grau de escolaridade da população e descrédito das instituições ou tremendamente injustos como é o caso do Brasil, onde existe a fantasia de que cada parto, se esteja dando a luz a um messias... Elegeram Getúlio Vargas em 1950 vendo nele o “Pai dos Pobres” e que deixou a presidência cometendo suicídio em 24.08.1954. Elegeram Jânio Quadros em 1960 e que renunciou em 08.08.1961 como Homem da Providência e depois em 1989 elegeram Fernando Collor de Mello como o Salvador da Pátria e na quarta tentativa elege como Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva como o Messias, é o mito do Operário Salvador, e que consta no livro de minha autoria O Triunfo das Idéias. “Quanto mais um país depende de pessoas, e não de instituições, menos republicano ele é”, diz Roberto Romano, da Unicamp e conclui: “O líder se torna um messias, os políticos próximos a ele tendem a imitar seu comportamento. Assim, ele vira um mito. Qualquer crítica ao líder carismático, portanto, vira uma blasfêmia”

Lula elegeu-se prometendo a mudança, e no governo praticou o continuísmo, mas mirando o bolso dos ricos e a barriga dos pobres. E segundo Paulo Arantes (Idéias JB 10/03/07), ao falar do colapso do petismo e da falência do governo Lula, diz: “o petismo sucumbiu ao pior tipo de capitulação, a capitulação sem combate e a adesão prévia ao programa do inimigo. A vitória de Lula foi uma derrota acachapante da esquerda”, conclui “Sem um núcleo de formulação de estratégia econômica, mas incontida ambição pelo poder”. Segundo Reinaldo Gonçalves, competente intelectual que pediu desligamento do PT, em entrevista ao Jornal do Brasil de 06/02/05, diz: havia ausência de diretrizes. O objetivo passou a ser, não a transformação, mas a chegada ao poder... e centralizar os esforços na reeleição. E é isso que está ocorrendo. A consolidação de estruturas retrógradas e a quebra da esquerda brasileira. Racha-se também o movimento sindical e a sociedade civil organizada. A herança de Lula, nesse sentido, pode ser pior que a do FHC e conclui: o partido não estava preparado para ser governo e, ao mesmo tempo, manter a sua identidade. Não havia maturidade e força política suficientes. O PT seria o único partido capaz de clamar por mudanças. Não existe mais o petismo, mas o lulismo, em decorrência da exaltação do próprio ego e da autopromoção, Lula até autodenominou-se “uma metamorfose ambulante”... ! “As prioridades de Lula são: Lula, ele próprio e si mesmo”, diz Veja em sua edição de 26/08/08. “O presidente Lula parece considerar-se uma espécie de marco zero. Nada de bom teria acontecido antes dele neste país”, diz Maílson da Nóbrega em seu artigo Lula e mistério do desenvolvimento (Veja 26/08/08 pág. 74. A república sindicalista implantada pelo lulismo e o petismo, ao anestesiar o país e desmoralizar a política, deixará um triste legado. Lula não entregou os sonhos que vendeu.

Com a eleição de Lula, o mundo inteiro (menos os que sabiam), julgou que o Brasil iria mudar para melhor, pois acreditavam no que alguns petistas pregavam de que só eles eram honestos e conheciam todos os problemas e a solução, que dariam um salto para frente, mas nós saltamos para trás. diz Fausto Wolff. Já Felipe Pigna, escritor e jornalista argentino, diz: “O triunfo de Lula deixou contentes os progressistas argentinos. Lamentavelmente, logo Lula se mostrou mais preocupado em acalmar as inquietações do governo direitista dos Estados Unidos e mostrar-se como um muchacho confiável para o poder econômico mundial”. O país vai mal, eticamente mal.

“O PT jogou a ética no lixo e vai ter de achar outro caminho. Deu as costas ao povo, à sociedade e às bandeiras tão caras a tantas pessoas. Tenho vergonha de estar no PT. Vou pedir à Justiça que concorde com meu argumento de que houve quebra do ideario partidário”, diz o Senador Flávio Arns, ao anunciar sua saída do partido em agosto de 2008. Também a Senadora Marina Silva, que também pediu para sair do partido, desabafou: “ Tantos projetos que eu não consegui aprovar nestes anos... Se eu não consegui com o Lula, como vou lutar por mais oito anos com a Dila? Não posso ficar no PT para convencer que o meio ambiente tem de ser prioridade. Este é um governo insensível às causas sociais”, disparou.

O futuro do país está conturbado e nebuloso. 20 mil famílias, em 2005, ganharam R$ 105 bilhões, graças aos juros obscenos que o governo do PT pagou, ao passo que apenas R$ 7 bilhões para os 8 milhões de beneficiários das bolsas-esmolas, segundo estimativas de Márcio Pochmann. Também a respeito do Governo Lula, diz o pensador César Benjamim, ex-integrante da cúpula do PT, vice na chapa de Heloísa Helena: “Temos 83% da população brasileira nas cidades, bloqueamos a mobilidade social e o Estado Nacional tornou-se refém do sistema financeiro. Estamos em vôo cego pois não temos uma teoria contemporânea do país”. O governo Lula, em números concretos, distribuiu R$ 530 bilhões para remunerar os rentistas e apenas R$ 30 bilhões para o Bolsa-Família, destinados aos mais pobres. “Os ricos nunca ganharam tanto dinheiro como no meu governo”, diz Lula com razão. O PT e Lula eram até há pouco
tempo, considerados uma certa reserva da nação, mesmo por seus adversários.

“Lula foi uma falsa chegada do povo ao poder. Lula foi uma fantasia coletiva, a encarnação do líder que ia comandar essa transformação fomos nós que criamos, porque precisávamos disso. Lula nunca foi isso, nem sequer foi um reformista, sempre foi conservador. O Lula é um tremendo equívoco. Um equívoco tão grande que não sei responder qual o efeito desse equívoco sobre o povo brasileiro. É um episódio meio patético, meio dramático, e que terá um impacto grande porque a decepção com Lula é muito mais profunda do que as decepções anteriores e sem limites éticos”, conclui César Benjamim.

“Toda grande causa começa como um movimento, vira um negócio e finalmente degenera numa quadrilha”, diz Eric Hoffer, cientista político americano.

(*) Theodiano Bastos é escritor, autor dos livros: O Triunfo das Idéias, A Procura do Destino e a publicar, “Liderança, Chefia e Comando”. Coordenador e introdutor das antologias publicadas pela UFES/CEPA: “Resgate da Família: alternativa para enfrentar sua dissolução, a violência e as drogas”, “Corrupção, Impunidade e Violência: O que fazer?”, “Globalização é Neocolonialismo? Põe a Ciência e a Tecnologia a Serviço do Social e da Vida” e “Um Novo Mundo é Possível? Para Aonde Vamos”. Idealizador e executor, em parceria com a UFES/CEPA, do JOCICA – Jovem Cientista Capixaba I,II,II e IV. idealizador e presidente do Círculo de Estudo, Pensamento e Ação, CEPA / ES www.proex.ufes.br/cepa.


Leia também no Blog: “LULA É UM MITO, UMA ILUSÃO COLETIVA”, “OS LÍDERES MESSIÂNICOS”, “O FENÔMENO LULA” e “REFORMAS: LULA E FHC FALHARAM” e o “GOLPISMO NÃO PROSPEROU NO BRASIL”

domingo, 16 de agosto de 2009

SER FELIZ, SEGUNDO JUNG E EPICURO


            


SER FELIZ, SEGUNDO JUNG E EPICURO,            por (*) Theodiano Bastos 


“Mens sana in corpore sano”
Mens sana in corpore sano ("uma mente sã num corpo são") é uma famosa citação latina, derivada da Sátira X do poeta romano Juvenal. No contexto, a frase é parte da resposta do autor à questão sobre o que as pessoas deveriam desejar na vida (tradução livre): Deve-se pedir em oração que a mente seja sã num corpo são.
Peça uma alma corajosa que careça do temor da morte, que ponha a longevidade em último lugar entre as bênçãos da natureza,que suporte qualquer tipo de labores,desconheça a ira, nada cobice e creia mais nos labores selvagens de Hércules do que nas satisfações, nos banquetes e camas de plumas de um rei oriental.
Revelarei aquilo que podes dar a ti próprio; Certamente, o único caminho de uma vida tranquila passa pela virtude.

FELICIDADE; O QUE FAZ UMA PESSOA FELIZ?    

É um tema muito caro neste mundo atribulado que vivemos, em que muitos de nós questiona o objetivo da vida e o que é "ser feliz". Para Carl Gustav Jung, para se ser feliz, é preciso se ter seis coisas na vida, que são:
1 - Boa saúde. 2 - Gosto pela beleza nas artes e na natureza. 3 - Um razoável padrão de vida. 4 - Um trabalho que dê satisfação. 5 Uma religião ou filosofia para enfrentar as vicissitudes da vida 6 - Um casamento feliz.
Mas adverte: “Um homem completo sabe que mesmo seu mais feroz inimigo, não um só, mas um bom número deles, não chega aos pés daquele terrível adversário, ou seja, aquele “outro” que habita em seu seio. Enfim, “O inimigo mais perigoso que você poderá encontrar será sempre você mesmo”. O “animus” é a polarização sombria e masculina da mulher. Já a “anima” é o lado sombrio e feminino do homem .” C.G. Jung Daí a necessidade do “Conhece-te a ti mesmo para conheceres os deuses e o
universo”, pregado por Sócrates.
Em busca na internet  conseguimos conhecer a filosofia de Epicuro.  O Epicurismo é o sistema filosófico ensinado por Epicuro de Samos, filósofo ateniense do século IV a.C., e seguido depois por outros filósofos, chamados epicuristas.
Epicuro propunha uma vida de contínuo prazer como chave para a felicidade, esse era o objetivo de seus ensinamentos morais. Para Epicuro, a presença do prazer era sinônimo de ausência de dor, ou de qualquer tipo de aflição: a fome, a abstenção sexual, o aborrecimento etc.
A finalidade da filosofia de Epicuro não era teórica, mas sim bastante prática. Buscava sobretudo encontrar o sossego necessário para uma vida feliz e aprazível, na qual os temores perante o destino, os deuses ou a morte estavam definitivamente eliminados. Para isso fundamentava-se em uma teoria do conhecimento empirista, em uma física atomista e em uma ética hedonista.
No antigo mundo da zona Mediterrânea, a filosofia epicurista conquistou grande número de seguidores. Foi uma escola de pensamento muito proeminente por um período de sete séculos depois da morte do fundador. Posteriormente, quase relegou-se ao esquecimento devido ao início da Idade Média, período em que se perderam a maioria dos escritos deste filósofo grego.
A idéia que Epicuro tinha, era que para ser feliz o homem necessitava de três coisas: Liberdade, Amizade e Tempo para meditar, isto é, aprender a se proteger de si mesmo. Essa filosofia é o que rege muitas empresas de marketing e propaganda, em vez de vender o produto ela vende uma destas três opções associadas ao produto. Na Grécia antiga existia uma cidade na qual, em um muro na frente de um mercado, tinha escrito toda a filosofia da felicidade de Epicuro, procurando conscientizar as pessoas que comprar não as tornaria mais felizes como elas acreditavam.
Uma agência de publicidade, Inspirada na filosofia de Epicuro anuncio uma bela mansão com um caríssimo carro estacionado na frente e no rodapé do anúncio: “A felicidade não está incluída”.  Certa vez uma grã-fina carioca  pediu que Oscar Niemayer fizesse uma planta de uma casa “que deixasse a pessoa feliz”, ao que Niemayer respondeu: “Quem é que vai morar nessa casa”?
Diz um provérbio escocês:  Procure ser feliz enquanto estiver vivo porque você vai ficar muito tempo morto...



 (*) Theodiano Bastos  é escritor, autor dos livros: O Triunfo das Idéias, A Procura do Destino, BRASIL O LULOPETISMO NO PODER e no prelo “PEGADAS DA CAMINHADA" e coletâneas publicadas pelo CEPA/UFES e é fundador e presidente do Círculo de Estudo, Pensamento e Ação, CEPA – ES www.cepa.ufes.br


 

OS QUATRO INIMIGOS DO HOMEM

OS QUATRO INIMIGOS DO HOMEM

                                                              THEODIANO BASTOS
                                           “O poder é uma carga em seu destino” e um dos quatro piores inimigos do homem, já alertava Don Juan, feiticeiro da tribo Yaque de Sonora, México, contado por Carlos Castaneda em seu livro A Erva do Diabo,


                                          O PODER é o mais forte de todos os inimigos do homem. Afinal de contas, o homem é realmente invencível. Ele comanda; começa correndo risco calculados e termina estabelecendo regras, porque é o Senhor. “Um homem nesse estágio, quase nem nota seu terceiro inimigo se aproximando. E de repente, sem saber, certamente terá perdido a batalha. Seu inimigo o terá transformado num homem cruel e caprichoso. Um homem derrotado pelo poder morre sem realmente saber manejá-lo. E um homem desses não tem domínio sobre si e não sabe quando ou como usar o poder! “Terá de desafiar propositadamente o poder para poder derrotá-lo. Deve aprender a controlá-lo em todas as ocasiões, tratando com cuidado e lealdade tudo o que aprendeu. O primeiro dos inimigos do homem é o
                                          O MEDO. O medo que permanece oculto em todas as voltas do caminho à espreita. A solução é enfrentar e desafiar o medo. Não se deve fugir dele. “Deve-se ter medo, plenamente, e no entanto não se deve parar”, pois o derrotado pelo medo, jamais será um homem de conhecimento e muito pior, se transformará num tirano, ou um pobre homem apavorado e inofensivo, será um homem vencido. A vitória sobre o medo, traz ao homem a segurança de si mesmo, não sente mais medo de aprender, adquiriu confiança em si, ele agora é um homem de
                                      A CLAREZA... uma clareza de espírito que apaga o medo. O homem ´, então, já conhece seus desejos; sabe como satisfazê-los. Pode antecipar os novos passos na aprendizagem e uma clareza viva cerca tudo. O homem sente que nada se lhe oculta. “E assim o homem encontra seu segundo inimigo: A clareza; essa clareza que é tão difícil de obter, continua ensinando o índio feiticeiro Dom Juan. Elimina o medo, mas também o cega”, obriga o homem a nunca duvidar de si. Dá-lhe a segurança de que ele poder fazer o que bem entender, pois vê tudo claramente. Ele é corajoso porque é claro e não pára diante de nada porque é claro. Mas tudo isso é engano; é como uma coisa incompleta. Se o homem sucumbir a essa tentação, terá sido derrotado pelo segundo inimigo natural. Mas se enfrentar e também vencer essa tentação, será um homem de PODER. Se for derrotado, não será ainda um homem de conhecimento, mas poderá ser um guerreiro valente, ou um palhaço. Não terá mais medo, dominará a clareza e atingirá o verdadeiro poder. E assim, o homem estará no fim de sua jornada do saber, e quase sem perceber encontrará seu último inimigo:
                                            A VELHICE. Este inimigo, alerta o feiticeiro mexicano Dom Juan, é o mais cruel de todos, o único que ele não conseguirá derrotar completamente, mas apenas afastar. O homem não tem mais receios nem impaciência, pois seu poder está controlado. O perigo é sentir o irresistível desejo de descansar. Se ele ceder completamente a seu desejo de se deitar e esquecer, se ele se afundar na fadiga, terá perdido a última batalha da vida e seu inimigo o reduzirá a uma criatura velha e débil. Mas se o homem sacode sua fadiga, e vive seu destino completamente, então poderá ser chamado de um HOMEM DE CONHECIMENTO.