domingo, 19 de agosto de 2018

“FAKE ONU”


“FAKE ONU”
O ANTAGONISTA https://www.oantagonista.com/ 19.08.18 

Carlos Alberto Sardenberg desmascarou o embuste da ONU, em que dois coleguinhas do advogado australiano de Lula apresentaram um relatório fake recomendando a candidatura fake do presidiário.

Leia aqui:
“Fake News não são apenas mentiras deslavadas. Quer dizer, muitas são, mas facilmente desmentidas. As que produzem efeitos fortes são as fake mais elaboradas, com base em algumas verdades e muitas distorções (…).
O comunicado é do Comitê de Direitos Humanos, um órgão formado por 18 ‘especialistas’ independentes – acadêmicos em geral – e que não tem nenhum poder decisório ou mandatório (…).

Esse comunicado não foi divulgado oficialmente, mas saiu em matéria da BBC, na última sexta-feira. Um vazamento.

Depois, saiu uma nota do Escritório de Direitos Humanos, no site oficial da ONU, com o título ‘Information note’ sobre o Comitê de Direitos Humanos. 

Ali se explica que não se deve confundir o Comitê com o Conselho de Direitos Humanos – este um órgão de alto nível, formado por representantes (diplomatas) de 47 países e que se reporta à Assembleia Geral da Nações Unidas, o órgão máximo da entidade. E este Conselho não decidiu absolutamente nada sobre esse caso.
Vai daí que são fake todas as notícias do tipo: ONU manda, determina, exige que Lula participe da eleição; Conselho da ONU decide a favor de Lula, (forçando uma confusão do Comitê com o Conselho, por ignorância ou má fé); decisão do Comitê é obrigatória (…).

A função do Comitê é supervisionar o cumprimento dos direitos humanos previstos nos diversos tratados patrocinados pela ONU.

E em nenhum desses tratados está escrito que cumprir pena depois da segunda instância é uma violação de direitos humanos. Reparem: nenhum tratado internacional condena a execução da pena em segunda instância. Nem em primeira instância – como ocorre em grande parte dos países, assunto que nunca mereceu a atenção do Comitê de Direitos Humanos da ONU.”

sábado, 18 de agosto de 2018

ONU: COMITÊ SECTÁRIO

ONU: COMITÊ SECTÁRIO

J.R.Guzzo: Soltem o Lula

“A Comissão de Direitos Humanos da ONU tem tanta possibilidade de soltar Lula quanto a diretoria de um Rotary Club do interior do Maranhão. Seu poder legal é zero. Não lhe cabe dar ordens a governos dos países-membros.

A comissão não pode impor sanções a ninguém, nem convocar uma tropa internacional para intervir em lugar nenhum. Não tem a menor relevância, também, do ponto de vista moral. 

Como poderia ter, se vem se recusando sistematicamente a fazer qualquer crítica a governos celerados como os da Venezuela ou Nicarágua, ditaduras que cometem assassinatos, torturas e outros crimes? Como são países de “esquerda”, o comitê da ONU não dá um pio, com o argumento de que tem de respeitar a sua soberania e que as violações de direitos humanos ocorridas ali são “questões internas”. 

Na verdade, o que há realmente de concreto a dizer sobre essa comissão é o seguinte: trata-se de uma boquinha clássica, onde parasitas variados vivem como esquerdistas profissionais, sem produzir um prego e com salários de 4.000 a 11.000 dólares por mês.

O despacho que ordena a soltura de Lula é um pequeno monumento à capacidade humana de socar disparates num pedaço de papel. Diz, para não encompridar o assunto, que não foi verificada até agora “nenhuma violação” de um direito de Lula ao longo do processo que o levou à condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Mas até que chegue a seu parecer final, algo previsto para acontecer só em 2019, é possível que venha a acontecer alguma injustiça contra o ex-presidente. Nesse caso, ele precisa ser solto já, porque a eleição está aí – e o homem não pode ficar sujeito ao risco de sofrer um “prejuízo irreparável”. O efeito de tudo isso, naturalmente, é nulo. Mas e daí? O que importa para Lula, o PT e o seu sistema de apoio, é tumultuar o máximo possível as eleições para dizer, depois, que o resultado não vale. Poderiam festejar, do mesmo jeito, o manifesto lançado no mesmo dia por outro presidiário cinco estrelas, o ex-deputado Eduardo Cunha. Do fundo de sua cela em Curitiba, Cunha, denunciado pela esquerda brasileira como o maior larápio da história desde que Ali Baba encontrou a caverna dos 40 ladrões, declarou-se inteiramente a favor da soltura de Lula e do seu “direito” de concorrer à presidência. Grande companheiro, esse Cunha.” https://veja.abril.com.br/blog/fatos/soltem-o-lula/

Jornalões caíram na conversa fiada da defesa do ex-presidente Lula sobre suposta “liminar” favorável ao preso por corrupção e lavagem de dinheiro. Trata-se na verdade de uma “recomendação”, com valor semelhante ao de uma “nota à imprensa” ou “nota de solidariedade”, de caráter pessoal, dos funcionários que integram um comitê técnico de Direitos Humanos, onde não há países representados. Parciais, eles nem se deram ao trabalho de pedir informações ao Brasil sobre o caso. https://diariodopoder.com.br/ 18/08/18

O Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) emitiu hoje (17) um documento que sugere ao governo brasileiro que reconheça os direitos políticos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, divulgou nota informando que o pedido da ONU será encaminhado ao Judiciário e que a iniciativa tem peso de recomendação, pois não é “juridicamente vinculante”.
“O teor da deliberação do comitê será encaminhado ao Poder Judiciário”, diz a nota do ministério.

 “O comitê, órgão de supervisão do Pacto de Direitos Civis e Políticos, é integrado não por países, mas por peritos que exercem a função em sua capacidade pessoal. As conclusões do Comitê têm caráter de recomendação e não possuem efeito juridicamente vinculante.”

O Itamaraty informou ainda que a delegação permanente do Brasil em Genebra (Suíça) não foi comunicada da recomendação. “Tomou conhecimento, sem qualquer aviso ou pedido de informação prévios, de deliberação do Comitê de Direitos Humanos”.
A reação do comitê é uma resposta a uma consulta encaminhada pelos advogados do ex-presidente no começo deste ano. No momento, o ministro Luís Roberto Barroso, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), é o relator do registro de candidatura de Lula, condenado em segunda instância e que está preso em Curitiba.

Comunicado

O comunicado, expedido pelo Comitê da ONU, a que a Agência Brasil teve acesso, está escrito em inglês e tem 20 linhas. Nele, a palavra request, em inglês, que significa solicitar e pedir, é usada duas vezes. O documento diz que Lula, mesmo preso, deve desfrutar do exercício dos direitos políticos, como candidato presidencial, incluindo o acesso à mídia e contato com integrantes do seu partido político.
No documento, os peritos afirmam ainda que se a recomendação não for seguida, Lula poderá sofrer “danos irreparáveis” no direito de votar e ser votado, conforme o Artigo 25, da Convenção do Pacto de Direitos Civis e Políticos, do qual o Brasil é signatário. O pedido reitera que não representa decisão alguma sobre o mérito relativo à prisão e condenação do ex-presidente da República.
Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção passiva no caso do triplex em Guarujá. Desde 7 de abril, ele está detido na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Outro lado

Para a defesa de Lula, a recomendação das Nações Unidas é um reconhecimento das violações aos direitos civis e políticos do ex-presidente. Os advogados Cristiano e Valeska Zanin Martins interpretam ainda que o ex-presidente tem condições de participar do processo eleitoral.
Segundo a defesa, Lula tem condições de concorrer às eleições presidenciais até a existência de decisão transitada em julgado em um processo justo, assim como será necessário franquear a ele acesso irrestrito à imprensa e aos membros de sua coligação política durante a campanha.                                                                          Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/ 18/08/18


domingo, 12 de agosto de 2018

VOU DE GERALDO


VOU DE GERALDO                                           Theodiano Bastos

O debate no dia 9 na Band foi apenas “um esquente” para que os candidatos se conhecerem e se prepararem para os novos embates.
Vejam os debates na TV que serão decisivos: 

17 de agosto – RedeTV!/ IstoÉ 
Debate com os candidatos a presidente da República, a partir das 22 horas. O encontro será transmitido pela televisão e, simultaneamente, pelo portal da emissora, pelo UOL, e nos perfis da RedeTV! no Facebook, Twitter e Youtube

27 a 31 de agosto – Rede Globo/ Globo News 
Os candidatos a presidente da República serão entrevistados na bancada do Jornal Nacional. Na sequência, os presidenciáveis concederão entrevistas para o Jornal das Dez, na GloboNews

9 de setembro – TV Gazeta/ Estadão 
Debate com os candidatos à Presidência da República, a partir das 19h30. Os políticos responderão perguntas dos jornalistas e também questões enviadas pelos internautas por meio das redes sociais. 
"Para enfatizar a suposta confiança que deposita no projeto de Alckmin, FHC evocou seu próprio histórico: “Em abril de 1994, eu virei candidato. Em maio, falei com a Ruth: Vou desistir. Eu tinha 12%, o Lula tinha 40%. As pessoas não acreditavam. Em agosto, comecei a crescer. Em outubro, ganhei no primeiro turno. É claro que tinha o Plano Real. Mas não é só o que você faz. É o que você fala. Tem que cacarejar.” Josias de Souza

PESO DA TV E RÁDIOS NA CAMPANHA DE CADA CANDIDATO
Geraldo Alckmin terá 12 min e 30 seg (22 vezes maior que o tempo de Bolsonaro)
Candidato do PT terá 2 min e 7 segundos, Henrique Meireles, 1 min e 38 segundos, Álvaro Dias, 33 segundos, Ciro Gomes, 33 segundos, Marina Silva, 16 segundos e Jair Bolsonaro, 8 segundos

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

PRESIDENCIÁVEIS, AGENDA DE DEBATES


PRESIDENCIÁVEIS, AGENDA DE DEBATES

Presidenciáveis participarão de mais nove debates até o primeiro turno. Seguem os principais: 

27 de agosto – Rádio Jovem Pan 
Debate com os cinco candidatos à Presidência mais bem colocados nas pesquisas de intenção de voto. O encontro acontecerá durante o 5º Fórum da Liberdade e Democracia e será transmitido para todas as plataformas digitais da Rádio Jovem Pan. 
27 a 31 de agosto – Rede Globo/ Globo News 
Os candidatos a presidente da República serão entrevistados na bancada do Jornal Nacional. Na sequência, os presidenciáveis concederão entrevistas para o Jornal das Dez, na GloboNews.
3 de setembro – Rádio CBN
A emissora iniciará nesta data a série de entrevistas com os candidatos à Presidência da República. As transmissões acontecerão a partir das 8 horas e terão duração de 45 minutos. 
9 de setembro – TV Gazeta/ Estadão 
Debate com os candidatos à Presidência da República, a partir das 19h30. Os políticos responderão perguntas dos jornalistas e também questões enviadas pelos internautas por meio das redes sociais. 
17 a 21 de setembro – Rede Globo 
Os candidatos a presidente serão sabatinados no Jornal da Globo.
18 de setembro – Piauí e Poder360/ Youtube 
Debate com presidenciáveis do PDT, PT, PSL, Rede e PSDB promovido em parceira entre o portal Poder360 e a Revista Piauí. O encontro está agendado para as 10 horas e acontecerá no YouTube Space do Rio de Janeiro. A transmissão acontecerá, ao vivo, pelos canais da Piauí e do Poder360 no YouTube
20 de setembro – TV Aparecida
Debate político promovido pela Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que ainda precisa ser confirmado com as lideranças partidárias. O evento deverá acontecer com os candidatos a presidente a partir das 21h30. O encontro será realizado no Santuário Nacional em Aparecida (SP), contará com a produção da TV Aparecida e poderá ser transmitido no portal A12, e em outras emissoras de rádio e TV católicas. 
26 de setembro – SBT/ Folha
Debate com os presidenciáveis, a partir das 18h20. O evento será transmitido na televisão pelo SBT e na internet pelos portais do UOL e da Folha. Também será possível acompanhar o encontro pelas redes sociais dos três veículos. 
30 de setembro - TV Record 
Debate político com os candidatos ao Palácio do Planalto, após 22 horas. O encontro também poderá ser acompanhado no portal R7
4 de outubro – Rede Globo 
O debate que encerra o ciclo de encontros entre os presidenciáveis no primeiro turno será realizado três dias antes da votação. A data também marca o término do horário eleitoral gratuito no rádio e na TV. 
7 de outubro
Primeiro turno das eleições 2018 
11 de outubro – Band 
Primeiro debate com os presidenciáveis no segundo turno da disputa ao Planalto, a partir das 22 horas. O evento também será transmitido nos canais BandNews e Terraviva, nas rádios Bandeirantes e BandNews FM e, pela internet, no portal da Band e no canal de jornalismo da emissora no YouTube
14 de outubro – TV Gazeta/ Estadão
Encontro entre os candidatos no segundo turno da disputa para presidente da República, a partir das 19h30. Os políticos debaterão entre si, responderão perguntas dos jornalistas e também questões enviadas pelos internautas por meio das redes sociais. 
15 de outubro – RedeTV
Debate com os presidenciáveis que chegaram ao segundo turno, a partir das 22 horas. O encontro será transmitido na televisão e, simultaneamente, no portal da emissora, no portal UOL e nos perfis da RedeTV! no Facebook, Twitter e Youtube
17 de outubro – SBT/ Folha
Debate com os políticos no segundo turno da corrida presidencial nas eleições 2018. O evento será transmitido, simultaneamente, na televisão pelo SBT e na internet pelos portais do UOL e da Folha. Também será possível acompanhar o encontro pelas redes sociais dos três veículos.
21 de outubro – TV Record
Debate com os presidenciáveis no segundo turno, a partir das 22 horas.
26 de outubro – Rede Globo 
Ultimo debate com os candidatos à Presidência da República antes do segundo turno das eleições 2018, a partir das 21h30. 
28 de outubro 
Segundo turno das eleições 2018