quinta-feira, 21 de novembro de 2013

BRASIL MARAVILHA: 140 ASSASSINATOS POR DIA



PAÍS INSEGURO:
140 ASSASSINADOS POR DIA
Apesar da intensa propaganda de que se vive no “Brasil Maravilha”, o fato é que o brasileiro se sente cada dia mais inseguro. Se sai de casa, não sabe se volta vivo. Diz o senador Cristovam Buarque que 100 mil brasileiros perdem a vida de forma violenta todo ano no Brasil, por assassinatos ou no trânsito.
No “Brasil Maravilha” tem a maior população carcerária do mundo: 540 mil presos e 300 mil procurados para 300 mil vagas. Leiam o texto que segue:
“De todos os imutáveis flagelos brasileiros o pior talvez seja o flagelo do sistema penitenciáriocerca de 540 mil presos para algo como 300 mil vagas. É o inqualificável facílimo de qualificar. Qualquer zoológico oferece estadia mais decente. Vistos como sub-bichos, os presos são submetidos a horrores como a superlotação, a insalubridade e a doença.
Nos últimos dias, o noticiário sobre a situação carcerária migrou dos fundões da editoria de polícia para as manchetes de primeira página. Deve-se a migração à mudança de status dos condenados do mensalão. Desceram do Brasil da impunidade para a subcivilização que definha dentro das cadeias, onde subpessoas vivem e, sobretudo, morrem esquecidas por uma sociedade selvagem.
O contato dos neopresidiários com o insuportável provocou um estrépito fulminante. Voaram algemados no camburão aéreo da Polícia Federal. Desrespeito! Foram revistados nus. Acinte! O banho é frio. Uhuuuuuu! Come-se a gororoba na quentinha, com garfo de plástico. Irrrrrrrrc! O semiaberto virou regime fechado. Inaceitável! A vida do José Genoino corre risco. Barbárie!
De repente, o país superlativo —Brasilzão do mensalão— se deu conta de que o submundo também tem uma quedinha pela desinência ‘ão’. Cruza da boa intenção com a inação, a prisão virou problemão sem solução. Antes, o inferno só era infernal para bandido do povão. Gente sem noção, vidrada em rebelião, sem vocação para reabilitação. Nesse caldeirão não cabe a turma dos embargos de declaração.
O debate sobre o martírio dos mensaleiros é legítimo e necessário. Polícia boa é polícia sob controle. Não é papel do Estado humilhar presos. A imposição de penas mais gravosas do que as previstas na sentença não pode ser tolerada. O descaso com a doença alheia é um tipo de crueldade que, além de ilegal, agride a boa índole do brasileiro.
Nesta quarta-feira, até Dilma Rousseff revelou-se inquieta com o quadro de Genoino. Falando a emissoras de rádio de Campinas (SP), a presidente disse ter uma “preocupação humanitária” com o companheiro. “Sei das condições de saúde dele. Ele teve uma doença extremamente grave do coração. Sei que ele toma anticoagulante”, disse.
Deve-se louvar o fato de a presidente ter botado a boca no trombone por Genoino. Pena que lhe falte sopro para fazer barulho pelo resto dos presos doentes e pelo sistema carcerário na UTI. É ensurdecedor, por exemplo, o silêncio da presidente diante da precariedade do Presídio Central de Porto Alegre, cidade onde ela se fez politicamente.

Há dez meses, em janeiro de 2013, entidades reunidas no Fórum da Questão Penitenciária denunciaram o cadeião da capital gaúcha à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA. Construído em 1959, o presídio jamais foi reformado Tem capacidade para 2 mil presos. Há cerca de 4,5 mil pessoas empilhadas em seus pavilhões. Falta saneamento básico. Sobram gambiarras e fiações expostas ao risco de curto-circuito. Ratos e baratas correm por entre os presos. Doentes morrem sem assistência médica —a  maioria fenece de Aids e tuberculose.
Em fevereiro, a OEA cobrou explicações ao governo brasileiro. Pediu informações sobre providências que as autoridades adotariam para proteger a integridade física e a vida dos presos da cadeia de Porto Alegre. Indagou sobre a falta de assistência médica no interior da penitenciária. Questionou sobre a encrenca da superlotação e os riscos de incêndio. Fixou um prazo de 20 dias para o envio das respostas.

Em março, Brasília enviou à OEA um documento de 52 páginas. Não traz a assinatura do responsável. Tampouco informa o órgão que produziu o texto. Pintou-se um cenário de rendenção. A cadeia gaúcha já disporia de unidade de saúde com médicos, psiquiatras, psicólogos, infectologista, traumatologista, dentistas, enfermeiros e assistentes sociais. Já estariam à disposição dos presos testes de HIV e sífilis, além de exames de raio-X.

Pelo texto oficial, a coleta do lixo teria sido aperfeiçoada e a cozinha da penitenciária passara por reformas. Criara-se um sistema de combate a incêndios dotado de 12 bombeiros. Instalaram-se no presídio 19 extintores. A OEA enviou a resposta do governo ao denunciante, o Fórum da Questão Penitenciária. Pediu uma manifestação sobre o conteúdo do papelório.
Na sua resposta, o fórum informou à OEA que nada mudara na masmorra de Porto Alegre. A assistência médica aos presos continuava deficitária. Seriam necessárias oito equipes médicas para atender à população carcerária. Só havia uma equipe completa. O aparelho de raio-X estava quebrado, sem previsão de data para o reparo.

Os dejetos das redes de esgoto continuavam correndo a céu aberto, conforme parecer técnico do Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia do Rio Grande do Sul, anexado à réplica. O parecer anota que a “estrutura do Presídio Central é irrecuperável para o fim a que se destina, de ser um presídio”. Há críticas também à higiene e ao acondicionamento da alimentação preparada para os detentos.” Fonte: http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/(21/11/13)



E continua a mesma fonte: “O problema das cadeias brasileiras decorre de um descaso que é velho como a primeira missa. Mas o vexame aumenta quando se considera que, no caso do Rio Grande do Sul, a presidente Dilma, o ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) e o governador gaúcho Tarso Genro são velhos defensores dos direitos humanos, pertencem à mesma agremiação partidária, o PT de Genoino, e têm nas mãos a faca e o queijo.
Enquanto Dilma manifestava sua preocupação com Genoino na entrevista de Campinas, 26 deputados federais do PT foram em caravana ao presídio da Papuda. Para irritação dos familiares dos presos pobres, entraram sem pegar o final da fila. Avistaram-se com Genoino, José Dirceu e Delúbio Soares. Saíram alardeando as queixas dos condenados do núcleo político do mensalão. Dirceu, por exemplo, não se conforma de estar trancafiado há cinco dias. Condenado ao semiaberto, não vê a hora de ganhar o asfalto durante o dia.
Correta, a queixa de Dirceu logo será atendendida. A mesma sorte não socorre os milhares de presos provisórios do país. Numa conta do ministro Gilmar Mendes, ex-presidente do STF e do CNJ, algo como 40% dos 540 mil presos estão na cadeia sem jamais ter sido condenados. São, por assim dizer, presos eternamente provisórios. Em muitos casos, a cana já dura mais de dez anos. Em alguns Estados, o desastre é maior. No Piauí, por exemplo, 70% da população carcerária aguarda julgamento. São os sem-embargo. Pior: é gente que não tem dinheiro para o advogado. Gilmar Mendes falou sobre a encrenca numa entrevista concedida ao blog em maio
A bancada de deputados do PT prestaria um enorme serviço ao país se aproveitasse o súbito interesse carcerário para organizar caravanas a outras unidades do sistema penitenciário nacional. Sugere-se que comecem pelo HCT, Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico de Salvador –um pedaço da rede hoje submetido aos cuidados do governo petista de Jaques Wagner. Equipe do CNJ inspecionou o local no ano passado.
Encontrou um telhado em petição de miséria. Chovendo, alaga-se o piso do primeiro andar. A água escorre pelos bocais das lâmpadas e vaza no andar de baixo, nos quartos dos presos com problemas psiquiátricos. A umidade deixa malcheirosos os ambientes. Para complicar, o contrato com a empresa que fazia a limpeza do local havia expirado quando os inspetores do CNJ varejaram as instalações.
Está disponível na web um filme que mostra o inferno do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico de Salvador. Chama-se ‘Casa dos Mortos’, título do poema de um dos presos. Um dos mortos-vivos exibidos na peça chama-se Almerindo Nogueira de Jesus. Internado aos 23 anos, encontra-se no local há 28 anos. Foi diagnosticado esquizofrênico.”

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

EIKE BATISTA: O ORGULHO DA REPÚBLICA SINDICAL



Eike Batista vai impor prejuízo de R$ 20 bilhões aos cofres públicos!


Há pouco mais de um ano Eike foi apresentado por Dilma como “o padrão” do empresário nacional, “a nossa expectativa” e, sobretudo, “o orgulho do Brasil quando se trata de um empresário do setor privado”.

As evidências apontam para a habitual privatização de recursos públicos e a socialização de prejuízos. A distribuição desigual do acesso aos bens coletivos (de capital) se vê representada na relação entre o Estado financiador e o empresariado privado.


1. “Minha missão é ajudar o Rio e o Brasil”.
2. “Criei uma sigla que resume um dos  um mandamentos para gerir bem uma empresa. É o PPI, ou Projeto à Prova de Idiota. Toda empresa, em algum momento, será comandada por um idiota, nem que seja por pouco tempo. Sabendo disso, nós montamos empresas que possam sobreviver aos idiotas. Meus ativos são à prova de idiotas”.
3. “Meu destino é lapidar diamantes brutos”.
4. “Por que só jogador de futebol e dupla sertaneja podem aparecer? Sou empresário transparente, tenho que me mostrar mesmo”.
5. “Deus deixou o item ‘saber fazer dinheiro’ para o meu pote”.
6. “Tenho que concorrer com o senhor Slim (Carlos Slim, bilionário mexicano). Não sei se vou passá-lo pela esquerda ou pela direita, mas vou ultrapassá-lo”.
7. “Tenho um pacto com a Mãe Natureza. Eu perfuro e acho coisas”.
8. “Uma companhia precisa de movimento. Calmaria é bom para quem não quer sair do lugar” .
9. “Um sonho é um sonho até que se acorde”.
10. “Eu, como brasileiro desta geração, digo com orgulho que o sucesso das minhas empresas não seria possível sem esse Brasil novo criado pelo presidente Lula”.

Eike em crise

Em maio de 2011, com uma fortuna estimada em US$ 30 bilhões, o brasileiro disse que se tornaria o mais rico do mundo até 2015 --mas o sonho tem ficado cada vez mais distante.
Com a falta de resultados e o pessimismo em relação ao futuro do grupo EBX, o mercado vem castigando as ações dessas empresas na Bolsa de Valores. Consequentemente, a fortuna de Eike vem encolhendo.
Ao final de junho de 2013, começaram a surgir rumores de que as empresas de Eike não teriam condições de honrar seus compromissos com os credores e teria que renegociar dívidas de curto prazo. Isso gerou mais temor entre os investidores. As empresas negaram.

Eike Batista vai impor prejuízo de R$ 20 bilhões aos cofres públicos!


DÍVIDAS:
Bancos públicos
“Enquanto os bancos privados são vistos como pouco afetados pela crise da EBX, os públicos devem ter maiores impactos. Na segunda-feira, o Bank of America Merrill Lynch informou em relatório que os estatais Caixa Econômica Federal e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) têm a maior exposição ao grupo.
Os analistas do BofA disseram que o BNDES tinha de longe a maior exposição à dívida do EBX no fim de março - um total de R$ 4,9 bilhões, representando 5,8% do capital exigido do banco. O BNDES é a principal fonte de recursos de longo prazo para empresas brasileiras. Na quarta-feira, o BNDES informou que o valor total das operações contratadas com empresas de Eike é de R$ 10,4 bilhões, mas que nem tudo foi desembolsado.
Para o analista João Augusto Salles, da consultoria LopesFilho, o BNDES poderia assumir a figura de condutor das negociações entre a EBX e os bancos. "Por ser o maior credor, o banco poderá coordenar tudo, buscar investidores interessados e fazer o arranjo financeiro", afirmou.
A exposição da Caixa às dívidas das empresas de Eike era de R$ 1,4 bilhão, ou 3,4% do capital exigido do banco, principalmente ao estaleiro OSX, estimou o BofA Merrill Lynch.
Bradesco seria mais afetado
Entre os grandes bancos de capital aberto, o Bradesco é o mais exposto às empresas de Eike, com maior potencial de impacto nos resultados, segundo o UBS.
No pior cenário, uma dívida de R$ 5 bilhões das empresas de Eike representaria 1,7% da carteira de empréstimos do Bradesco. Para 2013, o UBS estima que o Bradesco tenha provisões totais de R$ 12,8 bilhões e lucro recorrente de R$ 12,4 bilhões. Em caso de um calote pelas empresas "X", as provisões saltariam e o lucro em 2013 seria reduzido entre 8% e 40%.
O Itaú tem uma exposição menor às empresas "X", segundo o relatório do banco suíço. No pior cenário, uma dívida de R$ 5 bilhões seria equivalente a 1,3% da carteira de crédito da instituição. No caso de um default das companhias de Eike, o lucro líquido neste ano seria de 7% a 34% menor.
Outra vantagem do Itaú é que o banco teria melhores garantias que o Bradesco para os empréstimos concedidos às companhias de Eike, segundo o UBS.                       Fonte: http://economia.terra.com.br/
Empresas de Eike Batista devem ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) pelo menos R$ 1,17 bilhão a serem pagos até o fim do ano. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo", que afirma ter tido acesso aos contratos firmados entre as empresas e o banco. 
Segundo a reportagem, outros R$ 683 milhões vencem em 2014. Os valores foram calculados com base nos contratos firmados entre 2009 e 2012 na gestão do atual presidente do banco, Luciano Coutinho. Os contratos foram enviados pelo próprio BNDES ao Congresso Nacional, segundo o jornal.
As empresas do bilionário enfrentam uma séria crise de confiança no mercado e grandes perdas na Bolsa de Valores.
Segundo a reportagem da semana passada, os contratos firmados entre 2009 e 2012 entre o BNDES e as empresas de Eike ultrapassavam R$ 10 bilhões.
De acordo com os documentos obtidos pelo jornal, na reportagem desta quarta, R$ 918 milhões deveriam ter sido quitados até junho deste ano.
A cotação das ações da OGX na BMFBovespa fechou no menor patamar desde o lançamento na bolsa.  Hoje, está com o fechamento de R$ 0,55, com queda de 30%.  O anúncio da OGX veio após os três poços marítimos da empresa em produção em Tubarão Azul, sofrerem problemas operacionais e registrarem quedas e interrupções nos últimos meses.  A cotação máxima registrada pelo papel foi em 15 de outubro de 2010, quando a ação fechou a R$ 23,27.  As ações, simplesmente, derreteram.

Para mim, isto não é novidade.  A empresa OGX está falida desde o fechamento do Balanço Patrimonial de 31/12/2012.  Já fiz diversas matérias sobre a insolvência das empresas X do menino Eike Batista.  Sobre OGX, escrevi em 27 de março deste ano, com o título "OGX do Eike Batista está falida!".  Na ocasião, já constatei que o Balanço Patrimonial da OGX estava maquiada para esconder os prejuízos.  Chamei atenção para o fato, já naquela ocasião, há 3 meses.

No auge da cotação na BMFBovepa, a OGX valia no mercado, cerca de R$ 75 bilhões.  Pela cotação do fechamento de hoje, vale cerca de R$ 1,8 bilhões.  O mercado detém cerca de 40% das ações, sendo o restante do Eike Batista.  
Considerando a perda, até hoje, os investidores minoritários perderam grosso modo R$ 30 bilhões.  Perdeu quem acreditou nos castelos de papel do menino Eike Batista.

Perderam BNDES, Fundos e bancos oficiais federais, que concedeu financiamentos subsidiados ao grupo de empresas X do menino Eike Batista em cerca de R$ 20 bilhões, sem as garantias reais.  Certamente, o estado falimentar da empresa OGX, vai puxar as demais empresas do grupo para baixo.  As outras empresas do menino Eike Batista são também castelos de papel.  Empresas construídas sem ter mínimo de expertise no setor.

O presidente Lula e na sequência a presidente Dilma, contando com anuência do ministro Mantega e do presidente do BNDES, gestores dos fundos e presidentes dos bancos oficiais, concederam financiamentos de R$ 20 bilhões, sem garantia real, que uma operação deste porte exige. Em tese, as garantias foram os projetados recebíveis, que não se concretizaram. Dentro do conceito normal de exigibilidade de garantias em operações de financiamento, especificamente, para as empresas X não obedeceram as boas normas do mercado de crédito bancário.

No meu entender, mesmo não tendo conhecimento jurídico, o presidente Lula, a presidente Dilma, o ministro Mantega, presidente do BNDES Luciano Coutinho e presidentes das instituições bancárias cometeram crime de peculato, no mínimo.  As operações foram montadas sabedores de que as empresas do menino Eike Batista eram castelos de papel.  Eike Batista praticou o maior estelionato praticado no Brasil.

EIKE BATISTA, O BILIONÁRIO-CELEBRIDADE
Elio Gaspari, O Globo, (04/11/13)
“A quebra da OGX de Eike Batista era pedra cantada e foi a maior concordata da história do país. Em 2010, suas ações valeram R$ 23,27. Para desencanto de 52 mil acionistas e algumas dezenas de diretores da grande banca pública e privada, saíram da Bolsa a R$ 0,13.
Todo mundo ganhará se disso resultar algum ceticismo em relação à exuberância irracional da cultura das celebridades poderosas. Nela, juntam-se sábios da banca que se supõem senhores do Universo e autoridades que se supõem oniscientes.
Admita-se que um vizinho propõe sociedade num empreendimento. Ele é um homem trabalhador, preparado, poliglota, esportista e bem sucedido. Apesar disso, expôs sua vida pessoal mostrando que tem um automóvel de luxo na sala de estar, comunica-se em alemão com o cachorro (o bicho chegou ao Brasil num Boeing privado, com dois treinadores).
Sua mulher desfilava numa escola de samba com uma gargantilha onde escreveu o nome dele e deixou-se fotografar de baixo para cima usando lingerie transparente. Nomeou para a diretoria de uma de suas empresas um filho que declarou só ter lido um livro em toda a vida.
Revelou que estava ligado em astrologia, confiando no seu signo (escorpião), e disse coisas assim: “Tenho alguma coisa com a natureza. Onde eu furo, eu acho”. Quando suas contas começaram a ter problemas, defendeu-se: “Meus ativos são à prova de idiotas”. Tem jogo?
Eike tornou-se uma celebridade, listada por oráculos da imprensa financeira como o homem mais rico do Brasil, oitavo do mundo e anunciou que disputaria o primeiro lugar. Até junho, quando as ações da OGX estavam a R$ 1,21, sentavam-se em seu conselho de administração figuras respeitáveis como o ex-ministro da Fazenda Pedro Malan e a ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Ellen Gracie.
Lula visitava seus empreendimentos. A doutora Dilma Rousseff dissera que “Eike é o nosso padrão, a nossa expectativa e, sobretudo, o orgulho do Brasil quando se trata de um empresário do setor privado”. Quem entrou nessa, micou, inclusive a doutora.
Em seus delírios, Eike Batista criou uma fantasia que pouco tem a ver com a real economia brasileira, ou com as bases dos setores de petróleo, mineração e infraestrutura. Parte do mico ficou para os gênios da banca internacional. Cada um acreditou no que quis e deu no que deu. Falta de exemplos, não foi.
Para falar só de grandes empresários que já morreram, a austeridade foi a marca de empreendedores como Augusto Trajano de Azevedo Antunes, que criou a mineradora Icomi, Leon Feffer, criador da Suzano Papel, e Amador Aguiar, pai do Bradesco. Não foram celebridades. Descontando-se o fato de que “seu” Amador não usava meias, não tinham folclore.”  Elio Gaspari é jornalista.

sábado, 16 de novembro de 2013

CONEXÃO BRASIL/CUBA



CAMPANHA MAIS MÉDICOS: "UM GOLPE DE MESTRE"
 

PRESTE MUITA ATENÇÃO! 


"Vamos fazer uma conta rápida: A Dilma quer trazer 10.000 cubanos. Vai pagar R$10.000/cubano por mês, totalizando R$100.000.000,00/mês. Faltam 13 meses para a eleição, daqui até lá serão R$1.300.000.000,00 (Um BILHÃO e trezentos MILHÕES de reais), mas os 'médicos' não receberão esse dinheiro, e sim o governo cubano. Se metade dessa dinherama voltar aos cofres (caixa dois, claro!) do PT, Cuba ainda fica com uma bolada e a campanha da Dilma está paga. Acho que veremos a maior campanha presidencial da história desse país!
O mensalão não é nada perto desse golpe que estão realizando.
Olha o que temos: -O governo põe a culpa do caos na saúde em cima dos médicos e declara guerra aos mesmos, vetando o principal artigo do 'ato médico' e com isso ganhando a simpatia dos milhões de profissionais das outras áreas da saúde (mal sabem eles que ela agora vai editar uma medida provisória que vai colocar o mesmo artigo de volta em seu devido lugar, afinal de contas diagnosticar e tratar é coisa de médico e ela bem sabe disso). - Gasta uma FORTUNA com propaganda do programa mais médicos na tv, jornais, sites na internet, outdoor, etc e vai usá-lo para tentar alavancar a candidatura do Padilha ao governo de São Paulo e também na campanha presidencial. - Vai ganhar o apoio de milhares de prefeitos que já começaram a demitir médicos que são pagos com o tesouro municipal e que agora serão pagos com verba federal, desonerando as prefeituras a um ano da eleição para que os prefeitos possam roubar mais e fazer caixa de campanha. - Vai ter 10.000 cabos eleitorais ("médicos cubanos") trabalhando de graça e em tempo integral durante um ano para angariar votos para o PT e seus aliados. - Vai ter o apoio de um exército de miseráveis que agora já não se satisfazem mais só com as bolsas e que querem mais. Vão ser ludibriados por cubanos que se equiparam a técnicos de enfermagem brasileiros. Nos primeiros meses vai ser 'só love',  vamos ver quase a exaustão na TV um velhinho numa currutela do norte abraçando um cubano e dizendo que nunca tinha tido acesso a um médico e que agora tem um que o atende em casa e que é 'humano' demais e vai agradecer a Dilma e o Padilha.As mortes e sequelas só aparecerão, SE noticiarem, depois da reeleição."
Fonte: PAULO CHICON http://paulochicon.blogspot.com.br/2013/09/campanha-mais-medicos-um-golpe-de-mestre.html (5 de setembro de 2013)

Das malas de dinheiro, ainda, me lembro da reportagem da Veja.

PRESTE ATENÇÃO! NO GOLPE DE MESTRE!!!
 
 Deve ser isso mesmo (ver abaixo). Lembro que isto já aconteceu na eleição de Lula de 2002. Os dólares, chegaram ao Brasil num avião da Venezuela, acondicionados em caixas de bebida, andaram por Brasília e Campinas até chegar ao comitê eleitoral de Lula em São Paulo.   Os recursos clandestinos do PT vieram de Cuba, a ilha-estado onde o dinheiro é escasso até para colocar água potável nas escolas.

Em Brasília o dinheiro ficou sob os cuidados de um cubano que servira como diplomata. De Brasília, o dinheiro foi levado para Campinas, a bordo de um avião Sêneca, acondicionado em três caixas de bebida, sendo duas caixas de uísque Johnnie Walker e uma terceira caixa de rum cubano, o Havana Club. Quem levou o dinheiro foi um economista e ex-auxiliar de Antonio Palocci na prefeitura de Ribeirão Preto. Em Campinas, o dinheiro foi apanhado no Aeroporto de Viracopos por outro ex-auxiliar de Palocci. De Viracopos, o carro foi para São Paulo, para deixar as caixas no comitê de Lula na Vila Mariana, Zona Sul da capital paulista, aos cuidados do então tesoureiro Delúbio Soares.
Confirmem na internet, onde há mais detalhes. Este escândalo, já esquecido (e que pode estar se repetindo) foi amplamente divulgado na época.



Coluna Cláudio Humberto (14/04/2013):
De pai pra filho
Quem deve estar rindo à toa com o sigilo garantido  até 2027 dos empréstimos do BNDES a Cuba e Angola, com “mãozinha amiga” de Lula, é a filha do presidente eterno de Angola, Isabel dos Santos, a mulher mais rica da África. Fortuna estimada em US$ 2 bilhões.

PRECISAMOS TIRAR  O BRASIL DAS MÃOS DA REPÚBLICA SINDICAL, DO LULOPETISMO
São 10  ANOS DE CORRUPÇÃO!!!