segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

SÉRGIO MORO, ALDO MORO



SÉRGIO MORO / ALDO MORO,     

Vargas Llosa: Moro abriu Caixa de Pandora e é milagre estar vivo

“Em artigo publicado nos jornais El País e O Estado de S.Paulo, o escritor peruano e prêmio Nobel de literatura Mario Vargas Llosa afirmou que a empreiteira Odebrecht merece um monumento em sua homenagem porque “nenhum governo, empresa ou partido político fez tanto quanto ela desvelando a corrupção que corrói os países da América Latina, nem trabalhou com tanto ânimo para fomentá-la”. No mesmo texto, intitulado “O furacão Odebrecht”, ele afirma que Sergio Moro é “um juiz fora do comum” e que é um “milagre” que esteja vivo.” Fonte: http://veja.abril.com.br/ 19/02/17
  
   
 
por Theodiano Bastos

EU MORO com ele  página da esposa do Juiz Sérgio Moro, vejam


Jihadista do PT decreta uma espécie de 'fatwa' (ameaça de morte) contra o juiz Sérgio Moro pelo Tweets, telefone e até pelo Face:

El Carmo@ELcarmo: “Chega de palhaçada de acreditar na democracia da direita. MATEM O MORO”


El Carmo@ELcarmo: “Tenhamos coragem MATEMOS O MORO e acabemos com esta festa”.


El Carmo@ELcarmo: “Nunca pensei que iria ver três golpes neste país”.

O jornalista Rodrigo Rangel, na revista VEJA de 16/03/16 à pág. 48, denuncia: “Fazia tempo que o juiz era alvo de ataques virtuais...Sérgio Moro, o juiz da Lava-Jato, tem a segurança pessoal reforçada pela Polícia Federal depois de receber telefonemas e mensagens com ameaças de morte”.   


Como Aldo Moro, Sérgio Moro é um juiz destemido.
“Aldo Moro foi um jurista, professor e político italiano. Ocupou por cinco vezes o cargo de primeiro-ministro da Itália. Membro ativo da Igreja Católica foi um dos líderes mais destacados da democracia cristã na Itália e sua luta pela paz e honestidade em seu país terminou com o seu sequestro, seguido de morte, pela ausência do Estado italiano na negociação para sua soltura, em poder dos brigadas vermelhas. Ninguém sabe ao certo porque o governo italiano não teria negociado a sua liberdade. Mistérios do Poder. Pois bem, esse destemido juiz, deixou exemplos, inclusive no nome. Moro é sobrenome do juiz paranaense que determinou as investigações numa das supostas maiores quadrilhas de corruptos do Brasil, que pode envolver políticos, empresários, traficantes de drogas, e tudo o que há de ruim. Ao questionar o Ministro Teori Zavascki sobre sua decisão de libertar investigados presos, fundamentando não apenas a gravidade dos delitos, mas também as possíveis consequências, mostrou que justiça e proteção ao país se fazem quando se quer e se acredita na redução do crime. Não entendi, com todo o respeito ao Ministro do STF, o porquê dele decidir pela permanência do acusado principal de ligação com o crime. O vínculo com um deputado apareceu nas investigações e, na verdade tudo nessa descoberta, suponho, deveria ser feito para evitar um mal maior, e neste caso a justiça aparece em nome da sociedade. Não vi nenhuma crítica petista dizendo que o Ministro está fazendo um julgamento político. É claro que não, até porque todos os conhecem como um garantista (o que assegura o cumprimento da lei penal com pensamentos de liberdade, etc; o conceito é um pouco complexo). Mas o que significa mesmo dentro de uma realidade comprovadamente criminosa o garantismo da lei em desfavor da sociedade? Tem alguma coisa errada aí, tanto que o Ministro questionado por Moro, dentro do espírito e da forma que lhe permitiu a lei, reconsiderou parte de sua decisão. Quanto a Paulo Roberto, continua o garantismo. Isso é certo? Há controvérsias no meio jurídico? Talvez sim. Gostaria de ver um artigo do ex-Ministro do STF, Paulo Brossard, um jurista estudioso que tem nos deixado informações sobre a realidade nacional em seus frequentes artigos na mídia. Mas reconheço que o juiz federal Sérgio Moro tem o perfil de um julgador destemido, quando se vê com os problemas como os que encontra no momento, em favor da família e do tesouro brasileiros.”
Fonte: http://www.diariodopoder.com.br/ (20/01/15)
 
Ganha força nas redes sociais a campanha “Je suis Sérgio Moro”, que prega o combate à corrupção, fim da impunidade e cadeia aos “petralhas’”, denominação da turma do PT que se lambuza no poder. Fonte: Diário do Poder (19/01/15)


Em 1975, um juiz italiano chamado Aldo Moro, foi sequestrado e morto pelo grupo Brigade Rossi (brigadas vermelhas) por investigar firmemente crimes da máfia na Itália. Que o nosso Moro (o Sérgio) tenha melhor sorte por enfrentar a bandalheira vermelha aqui instalada com aquiescência superior. Como Aldo Moro, Sérgio Moro é um juiz destemido

A OPERAÇÃO MANI PULITE,                                       
por Sergio Fernando Moro

Em texto com mais de 20 páginas, o Juiz Sérgio Moro "traça considerações sobre a operação mani pulite, na Itália, uma das mais impressionantes cruzadas judiciárias contra a corrupção política e Discute as causas que precipitaram a queda do sistema de corrupção italiano e possibilitaram a referida operação — entre elas os crescentes custos, aliados a uma conjuntura econômica difícil —, bem como a estratégia adotada para o seu desenvolvimento.

No artigo ele destaca a relevância da democracia para a eficácia da ação judicial no combate à corrupção e suas causas estruturais e observa que se encontram presentes várias condições institucionais necessárias para a realização de ação semelhante no Brasil, onde a eficácia do sistema judicial contra os crimes de “colarinho branco”, principalmente o de corrupção, é no mínimo duvidosa. Tal fato não escapa à percepção popular, constituindo um dos contrato público, o que levou à utilização da expressão “Tangentopoli” ou “Bribesville” (o equivalente à “cidade da propina’) para designar a situação.

A operação mani pulite ainda redesenhou o quadro político na Itália. Partidos que haviam dominado a vida política italiana no pós-guerra, como o Socialista (PSI) e o da Democracia Cristã (DC), foram levados ao colapso, obtendo, na eleição de 1994, somente 2,2% e 11,1% dos votos, respectivamente. Talvez não se encontre paralelo de ação judiciária com efeitos tão incisivos na vida institucional de um país. Por certo, tem ela os seus críticos, especialmente após dez anos. Dez suspeitos cometeram suicídio.

Silvio Berlusconi, magnata da mídia e um dos investigados, hoje ocupa o cargo de primeiro-ministro da Itália. Não obstante, por seus sucessos e fracassos, e especialmente pela magnitude de seus efeitos, constitui objeto de estudo obrigatório para se compreender a corrupção nas democracias contemporâneas e as possibilidades do (DC), e os de esquerda, como o Partido Comunista (PC). Com a queda do “socialismo real” e o arrefecimento do debate ideológico, as fragilidades do sistema partidário e a corrupção tornaram-se mais evidentes.

A deslegitimação do sistema foi ainda agravada com o início das prisões e a divulgação de casos de corrupção. A deslegitimação, ao mesmo tempo em que tornava possível a ação judicial, era por ela alimentada: A deslegitimação da classe política propiciou um ímpeto às investigações de corrupção e os resultados desta fortaleceram o processo de deslegitimação.
Conseqüentemente, as investigações judiciais dos crimes contra a Administração Pública espalharam-se como fogo selvagem, desnudando inclusive a compra e venda de votos e as relações orgânicas entre certos políticos e o crime organizado. As investigações mani pulite minaram a autoridade dos chefes políticos – como Arnaldo Forlani e Bettino Craxi, líderes do DC e do PCI – e os mais influentes centros de poder, cortando sua capacidade de punir aqueles que quebravam o pacto do silêncio..."

SÉRGIO MORO PARA O STF
Sérgio Moro, o integro e corajoso juiz que conduz os processos da Operação Lava Jato, que tem o doleiro Alberto Youssef como pivô
O juiz federal do Paraná Sérgio Moro está entre os três indicados pela Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) para concorrer ao cargo de ministro no Supremo Tribunal Federal (STF). A vaga é decorrente da saída de Joaquim Barbosa, que anunciou aposentadoria em maio.
De acordo com a Associação, a lista tríplice definida pelos juízes federais será encaminhada ainda nesta semana à Presidência da República. Os nomes indicados pela Ajufe concorrerão com nomes indicados por outras entidades de classes e associações, como a de advogados e a do Ministério Público, por exemplo.
Sérgio Moro é juiz titular da vara federal especializada em lavagem de dinheiro e crime organizado de Curitiba. Também atuou como juiz auxiliar do STF, em 2012. Recentemente, Moro ganhou notoriedade ao assumir s deliberações da Operação Lava Jato - esquema de lavagem de dinheiro no qual estão envolvidos o doleiro paranaense Alberto Youssef e o ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. O esquema pode ter movimentado R$ 10 bilhões.
Em nota, a Ajufe justificou a criação da lista de magistrados “porque na composição atual do Supremo não há nenhum juiz federal de carreira”. Para o presidente da Associação, Antônio César Bochenek, a presença de um magistrado de carreira no STF ampliaria a representatividade do órgão, além de valorizar a experiência do profissional.
“O juiz federal inicia sua carreira como juiz substituto até chegar a desembargador. Passa por cidades pequenas, média, grandes, enfrenta várias situações de julgamento. Isso revela que ele tem uma bagagem jurídica muito importante. No momento não temos um juiz federal e esse é um motivo bastante importante dada à importância dessa experiência do juiz federal, das decisões proferidas por esses colegas”, argumentou Bochenek.
Sobre a indicação de Moro – que foi o mais votado dos três nomes, com 141 indicações – o presidente afirmou que sua atuação na Operação Lava Jato foi importante, mas não essencial, já que outros trabalhos realizados anteriormente já haviam o colocado em destaque entre os juízes federais. “A operação [Lava Jato] é só um trabalho a mais. Ele já está na magistratura há mais de cinco anos. Trabalhou em várias cidades e nos últimos anos vem atuando na esfera criminal. Além de que é professor da UFPR, é doutor. Tem todo um currículo que o credencia para o posto”, comentou.
As indicações da Ajufe contemplam ainda os nomes do desembargador federal Leandro Paulsen, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4); e do desembargador federal Fausto De Sanctis, do TRF da 3ª Região. Na votação organizada pela Ajufe, votaram 362 magistrados.



Leia neste Blog: SÉRGIO MORO INDICADO PARA O STF

12 comentários:

  1. Há alguma chance de um comentário de um engenheiro brasileiro chegar ao juiz Sérgio Moro, através deste site?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É só pesquisar no Google o e-mail da 13ª Federal do Paraná que você consegue ter acesso ao Juiz Sérgio Moro

      Excluir
  2. Quis custodiet ipsos custodes? Traduçao; quem nos protegerá de nossos protetores?
    Alguem da área juídica poderia explicar "quem dá suporte ao destemido juis, apezar das ameaças. Outra versão:
    --Quem dá respaldo ao ministério público de denunciar corajosamente, não obstante os xingamentos de Color e Cunha?



    ResponderExcluir
  3. Tenho certeza de em em breve, o Brasil tomará novos rumos ao desenvolvimento, após extirpar tão perigosa quadrilha do poder. O Divisor de Águas são três: Joaquim Barbosa, Sergio Moro e Polícia Federal. E ainda tem o MPF que vem mostrando com rigor, que a Lei é para todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como Você e Dom Quixote, eu também não desisto de sonhar! Que Deus nos proteja e inspire estas pessoas de bem!

      Excluir
  4. Faço minhas as palavras do Sr. Helio Freitas de Souza helio (acima)
    Ahhh. não posso esquecer do Dr. Janot

    ResponderExcluir
  5. Sérgio Moro se tornou ídolo pelo bem, pelo claro, pelo transparente. Também pela capacidade magnânima de ser prudente. Mansidão! "Gálatas". Ser Manso e humilde sim, ele os são. Prudente e juto também, que você seja Dr. Sérgio Mouro. Todos os anjos e orbe celestial tecerão uma fortaleza ao seu derredor. Eu e minha família sempre cobramos de Deus a promessa feita aos filhos das Promessas. "Fazei prova de mim". Dr. Sérgio Moro, nos comprometemos, eu e minha família sermos o elo de ligação entre céu e a terra, só e unicamente para implorar sabedoria às suas decisões.

    ResponderExcluir
  6. vi a injuria triunfar quando ridicularizava a sabedoria. Vi um povo ser escravizado quando conduzido a pensar pelo estomago.Vi um governo satanizar toda uma nação quando uma pretensa governanta mentia ao povo dessa nação. O fruto de tal ignomínia foi morte e destruição.

    ResponderExcluir
  7. Moro, está esperando o quê para botar em cana a anta e o molusco?

    ResponderExcluir