quarta-feira, 12 de julho de 2017

LULA CONDENADO, MORO O CONDENA SEM PRENDÊ-LO



MORO CONDENA LULA, SEM PRENDÊ-LO

Ex-presidente é condenado a 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá, o que o levaria ao regime fechado, mas decisão ainda precisa ser confirmada em 2ª instância; sentença é a primeira contra ele na Lava Jato (Folha de São Paulo). Lula também foi condenado a ficar impedido de ocupa cargos públicos por 7 anos e multa de    R$ 700.000,0. Na sentença, Moro determinou o sequestro e confisco do tríplex de Guarujá, como “produto de crime e que, portanto, ele não pode mais ser considerado como garantia em processos cíveis”.
Adversários celebram condenação de Lula: ‘Justiça sendo feita’ Dólar cai e bolsa dispara.
Ex-presidente foi condenado a nove anos e meio de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Revista VEJA 12/07/17
Mais um resultado do excelente trabalho desempenhado pelo juiz Sérgio Moro. O chefe da quadrilha foi condenado a nove anos e meio de cadeia por lavagem de dinheiro e corrupção. É a primeira vez que um ex-presidente é condenado por receber propina, usada, por exemplo, para comprar o famoso tríplex do Guarujá. E é só o começo. Lula ainda tem mais outros quatro processos em andamento. Justiça sendo feita contra um criminoso que tantos prejuízos trouxe ao Brasil com seu projeto de poder. 'O Congresso com o PT passou a ser bolivariano', diz Caiado (VEJA.com/VEJA/VEJA)
A oposição comemorou a decisão do juiz Sergio Moro de condenar do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e meio de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Em sua página no Facebook, o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) afirmou: “É só o começo. Lula ainda tem mais outros quatro processos em andamento. Justiça sendo feita contra um criminoso que tantos prejuízos trouxe ao Brasil com seu projeto de poder”.
Já o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que a Justiça foi feita e voltou a fazer um ataque recorrente que faz ao petista, chamando-o de “o maior cara de pau do Brasil”. O ex-deputado federal Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, disse que quase acertou a pena. “Eu apostei em dez anos. Quase acertei. O juiz Sergio Moro acertou de novo.”
sentença, anunciada nesta quarta-feira, é a decisão derradeira de Moro no processo em que o petista foi acusado pela força-tarefa da Lava-Jato de receber propina da OAS, uma das empreiteiras do chamado clube do bilhão, que se refestelou nos últimos anos com contratos bilionários na Petrobras. Entre as vantagens recebidas por Lula, segundo a acusação, está um apartamento tríplex no balneário do Guarujá, em São Paulo. É a primeira vez que um ex-presidente do Brasil é condenado por corrupção.
Deputados federais do PSDB comemoraram a decisão. Rocha (AC), que reivindica o início do processo por ter representado sobre o tríplex perante a Procuradoria-Geral da República (PGR) em 2015, afirmou que “a Justiça brasileira está atendendo aos anseios da população”. Vanderlei Macris (SP) disse que essa é a primeira de muitas condenações: “Investigações foram feitas e agora ele começa a pagar a conta com a Justiça. Esse é o só o começo de um processo que não será tão breve. Outras denúncias virão”. Já Fábio Sousa (GO) criticou o discurso dos aliados do petista, que se voltaram contra Sergio Moro. “Quem critica hoje o juiz não o criticou na sentença de Eduardo Cunha”, argumentou.                                                                                                                     Fonte: http://veja.abril.com.br/ 12/07/17


Imprensa internacional destaca queda 'impressionante' de Lula, diz a BBC Brasil:

“O juiz federal Sérgio Moro condenou nesta quarta-feira o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e seis meses de prisão por corrupção no julgamento em que era acusado de receber um apartamento no Guarujá (SP) em troca da promoção de interesses da empreiteira OAS junto à Petrobras.

O ex-presidente poderá recorrer em liberdade. Se o Tribunal Regional Federal (TRF) confirmar a condenação, Lula pode ficar inelegível. Como o tribunal costuma levar por volta de um ano para analisar os recursos às sentenças de Moro, é possível que a decisão ocorra na véspera da próxima eleição presidencial.

Na sentença, Moro diz lamentar "que um ex-presidente da República seja condenado criminalmente, mas a causa disso são os crimes por ele praticados e a culpa não é da regular aplicação da lei".
O juiz afirma que, ao longo do processo, ficou comprovada a relação entre Lula e o esquema de corrupção na Petrobras, investigado pela Operação pela Lava Jato.
Segundo o juiz, Lula "tinha um papel relevante no esquema criminoso, pois cabia a ele indicar os nomes dos Diretores ao Conselho de Administração da Petrobrás e a palavra do governo federal era atendida".
na tarde desta quarta, os advogados de defesa do ex-presidente criticaram a condenação.
"Lula é inocente. Por mais de três anos, Lula tem sido sujeitado a uma investigação com motivações políticas. Nenhuma evidência crível de culpa foi produzida, e provas esmagadoras de sua inocência foram ignoradas", diz nota assinada pelos advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Zanin Martins, divulgada em inglês pelo assessor internacional do ex-presidente. "Provaremos a inocência de Lula em cortes judiciais não enviesadas, incluindo nas Nações Unidas", finaliza a nota.
Moro diz que caso comprova relação entre Lula e esquema na Petrobras
Apartamento
Moro diz que, para obter vantagens na estatal, a OAS presenteou o petista com o apartamento no Guarujá.
O juiz diz que Lula não apresentou justificativas para a cessão do imóvel, "restando nos autos, como explicação única, somente o acerto de corrupção decorrente em parte dos contratos com a Petrobrás".
O juiz absolveu Lula, porém, da acusação de ter se beneficiado com a armazenagem de presentes que recebeu na Presidência.
É a primeira vez que o petista é condenado num processo ligado à Operação Lava Jato. Ele é réu em outras quatro ações.
Na ação julgada nesta quarta, Lula era acusado de ter recebido da OAS um apartamento de três andares (tríplex) no Guarujá, imóvel que também teria sido reformado pela empreiteira sem custos para o ex-presidente. O MPF estimou em R$ 2,4 milhões os valores do imóvel e da reforma somados.
O Edifício Solaris, onde fica o apartamento, era um empreendimento da Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários).
Com a falência da Bancoop, em 2009, a OAS assumiu o prédio e deu aos cooperados o prazo de 30 dias para optar pelo recebimento do valor investido ou pela continuação dos pagamentos.
Lula e sua esposa, Marisa Letícia, morta neste ano, tinham cotas no empreendimento, mas não fizeram qualquer opção, segundo o MPF. Eles já haviam pago R$ 209 mil pelo apartamento e deixaram de quitar as parcelas quando a OAS assumiu a obra.
O MPF diz que não há registros de que Lula e Marisa tenham recebido de volta o valor.
Após a conclusão das obras e de visitas de Lula e Marisa ao apartamento, a OAS instalou um elevador privativo, uma cozinha e outras benfeitorias no imóvel.
Executivos da empreiteira - entre os quais seu ex-presidente Léo Pinheiro - disseram à Justiça que a unidade pertencia a Lula.
O executivo afirmou ainda que o valor da unidade seria abatido de créditos que o PT tinha a receber por propinas baseadas em contratos firmados pela OAS com a Petrobras quando Lula era presidente, entre os quais a construção das refinarias Abreu e Lima e Presidente Getúlio Vargas.
Preso desde setembro de 2016 e condenado a 26 anos de prisão por crimes investigados pela Operação Lava Jato, Pinheiro atualmente negocia um acordo de delação premiada com o MPF.
Já a defesa de Lula afirma que o executivo mentiu sobre o episódio para atenuar sua pena.
Em depoimento a Moro após a morte de Marisa, Lula afirmou que nunca foi dono do imóvel e que o contrato que previa a aquisição da unidade estava em nome de sua mulher.
Lula disse que ouviu falar do apartamento em 2005, quando passou a pagar as cotas, e que só voltou a tratar do tema em 2013.
Ele disse que nunca pensou em adquirir o imóvel, pois, sendo figura pública, só conseguiria visitar a praia em frente ao edifício "na segunda-feira ou na Quarta-feira de Cinzas".
Mas Lula afirmou que sua mulher cogitava comprar o apartamento como um investimento.
Segundo Moro, a defesa do ex-presidente fez "uma aparente tentativa de transferir a responsabilidade para a falecida Marisa Letícia Lula da Silva".
Porém, diz o juiz, "é evidente que se tratava de uma iniciativa comum ao casal, pois a propriedade imobiliária transmite-se ao cônjuge, em regime de comunhão de bens".
Em suas alegações finais, a defesa do presidente apresentou ainda documentos mostrando que os direitos econômicos e financeiros do apartamento foram cedidos, em 2010, a um fundo da Caixa Econômica Federal como garantia de debêntures (títulos de empréstimo) emitidas pela OAS.
Mas Moro afirmou que se tratava de uma "operação normal de financiamento da OAS" em que foram oferecidos como garantia não só o apartamento atribuído a Lula, mas todos os imóveis do edifício.
Ao definir a pena de Lula, o juiz diz que o petista tem, "orientado por seus advogados, adotado táticas bastante questionáveis, como de intimidação do ora julgador, com a propositura de queixa-crime improcedente, e de intimidação de outros agentes da lei, Procurador da República e Delegado".
Por essas razões, diz Moro, "até caberia cogitar a decretação da prisão preventiva" de Lula.
Mas ele avaliou que, "considerando que a prisão cautelar de um ex-presidente da República não deixa de envolver certos traumas, a prudência recomenda que se aguarde o julgamento pela Corte de Apelação", o Tribunal Regional Federal.
Presentes presidenciais
Em outra parte do processo, da qual foi absolvido, Lula era acusado de ter se beneficiado por gastos de R$ 1,3 milhão da OAS com a armazenagem e o transporte de presentes que recebeu quando presidente.
Segundo Moro, "apesar das irregularidades no custeio do armazenamento do acervo presidencial, não há prova de que ele envolveu um crime de corrupção ou de lavagem, motivo pelo qual devem ser absolvidos desta imputação o ex- Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Paulo Tarciso Okamoto e José Adelmário Pinheiro Filho". Em outubro de 2010, poucos meses antes da posse de Dilma Rousseff, o atual diretor-presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto*, pediu à transportadora Granero um orçamento para a armazenagem de bens.
Porém, o contrato pelo serviço, ao custo mensal de R$ 21,5 mil, foi firmado entre a Granero e a OAS, que passou a arcar com os pagamentos.
O MPF diz que o propósito do contrato foi ocultado, já que nele se afirmava que o objeto seria a "armazenagem de materiais de escritório e mobiliário corporativo de propriedade da Construtora OAS".
O contrato foi encerrado em 2016.
Lula diz que jamais tratou do tema e que os objetos não eram presentes pessoais, mas sim itens do "acervo presidencial", que precisavam ser guardados em área climatizada.
A defesa do presidente diz que não houve qualquer intenção de ocultar a transação entre a Granero e a OAS.
Advogados de Lula citam o depoimento do empresário Emerson Granero à Justiça, na qual ele afirmou que, ao redigir o contrato, a empresa foi desatenta e usou os termos de um contrato padrão.
Segundo a defesa do petista, a OAS se ofereceu para pagar a armazenagem sem que isso envolvesse qualquer contrapartida passada ou futura.”  Fonte: http://www.bbc.com/ 12/07/17
 




Nenhum comentário:

Postar um comentário