quinta-feira, 6 de agosto de 2015

NOVA ELEIÇÃO PARA PRESIDENTE



Aos presidentes do STF, TSE e demais membros das cortes                  Theodiano Bastos

Ricardo Lewandowski, presidente do STF – Supremo Tribunal Federal e demais membros do STF - presidencia@stf.gov.br
E aos ministros do TSE:
Gilmar Ferreira Mendes (Vice-Presidente)
MINISTROS SUBSTITUTOS
Não dá mais para aguentar esse velório por quatro anos, o defunto está em adiantado estado de putrefação, o mau cheiro é insuportável  e o sepultamento tem de ser antecipado, para o bem do Brasil. Esse é o mais fraco governo que eu tenho memória em todos os meus 78 anos de vida. Esse governo não tem mais governabilidade.
O Brasil atravessa uma crise sem precedente em toda sua história. A crise é ética, política, econômica, financeira de gestão. E caminhamos a passos largos para uma convulsão social e até de uma guerra civil.
A solução da crise menos traumática está em mãos do Tribunal Superior Eleitoral, TSE: a convocação de novas eleições para presidente da República


Com apenas 8% de aprovação, conforme pesquisa do Datafolha em 05/08/15, e sem apoio no Congresso, Dilma não tem mais governabilidade.
 

Só um novo pleito pode legitimar novo presidente para tirar país da crise.


O provo brasileiro está se matando: são 116 homicídios por dia e 54 mortes violentas no trânsito, também por dia.
   
É a melhor coisa que poderia acontecer é o TSE cassar o mandato da presidente e afastar este governo corrupto, que a presidente e o vice-presidente tenham seu diploma eleitoral cassados no TSE, onde já tramita uma ação acusando o PT e a presidente de abuso de poder econômico na campanha eleitoral do ano passado.    
             Isso não significa golpe! 
"Os sucessivos escândalos que aí estão consolidam a ideia de que se instalou no Brasil um modos operandi organizado e sistematizado em que vale tudo para se manter no poder, e que agora coloca sob gravíssima suspeição a campanha que elegeu a atual presidente da República e seu vice"


“Dilma Rousseff preside um governo em estágio terminal. Avaliou-se que o agravamento da crise econômica e a deterioração da conjuntura política devem abreviar o segundo mandato da presidente.”, dizem deputados do PMDB.
 

             *****************************************

"Na noite de terça-feira (05/08/15), os senadores tucanos Aécio Neves, José Serra, Cássio Cunha Lima e Tasso Jereissati reuniram-se com os peemedebistas Renan Calheiros, Romero Jucá e Eunício Oliveira. Une-os a impressão de que o governo Dilma derrete na proporção direta da deterioração dos indicadores econômicos. Separa-os a visão sobre o desfecho mais adequado para a crise.

Na opinião de Aécio, na eventualidade de ocorrer o afastamento, o substituto de Dilma precisaria do aval das urnas. O problema é que a convocação de novas eleições depende do TSE. Só ocorreria se o tribunal cassasse Dilma e Temer por irregularidades na prestação de contas da campanha de 2014."                                                                                                          Fonte: http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/ (06/08/15)

 

4 comentários:

  1. Olá Theodiano, boa tarde.
    Esse governo já deu o que tinha que dar, se é que deu alguma coisa!!!
    A saída mais honrosa, se é que existe, seria pedir o boné.
    Se bem que, eles deveriam mesmo sair, mas rumo à PAPUDA, lugar mais apropriado para essa gente.
    Atenciosamente,
    Wesley Sathler, Vitória/ES, por e-mail

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://www.diariodopoder.com.br/coluna : (07/08/15):
      Carta-renúncia está pronta, dizem fontes do Planalto
      Apesar de ter declarado que “suporta a pressão”, a presidente Dilma já teria preparado uma carta-renúncia. Fontes do Palácio do Planalto garantem que a redação da carta não foi um ato solitário, como é comum nesses casos: Dilma teria contado com a ajuda de dois dos seus ministros mais próximos, Aloizio Mercadante (Casa Civil) e José Eduardo Cardozo (Justiça), apesar de ambos serem contrários à ideia.
      Temer assume
      Confirmada a renúncia de Dilma, o vice-presidente Michel Temer (PMDB) assumiria imediatamente o comando do Executivo.
      Cerco apertado
      Além da renúncia, há outras hipóteses para a saída de Dilma: ação na Justiça Eleitoral e representação da oposição por crime financeiro.
      Ação dupla
      A ação eleitoral por financiamento ilegal de campanha pode culminar no cancelamento do registro da chapa. Assim, cairiam Dilma e Temer.

      Excluir
  2. Perfeito.
    Dilma tem de sair. Está isolada, desmoralizada, mas ainda mente e se diz resistente. No fundo está descrente mas sua imagem de valente impede de mostrar o que sente. A renúncia é a melhor saída para o País e para ela. Mas renunciar agora seria aceitar a derrota, e isso seria a morte que ela já venceu na tortura e na doença. Venceu de novo um desafio ao emagrecer e fez questão de mostrar pedalando. O caminho é ela renunciar vencendo e não perdendo. Falta-lhe um interlocutor e conselheiro ideal. Lula não serve porque a está reprovando. Mas há uma pessoa muito especial que ela já mostrou que respeita e que recentemente até a elogiou. Seu nome é Fernando Henrique Cardoso. Se alguém pode negociar com ela as condições para sua renúncia essa pessoa é FHC. Quando Lula quis conchavar com ele, ela prontamente se ofereceu para estar presente. É uma possibilidade muito concreta. Temer, com humildade, pede que alguém reunifique o País. O único que pode fazer isso é FHC. Espero que esta sugestão chegue até ele.Rubens Pontes, Serra/ES, por e-mail

    ResponderExcluir
  3. Caro Theodiano...

    Eleição agora com as MESMAS REGRAS de um ano atrás?
    Com o MESMO CONJUNTO ATUAL DE DEPUTADOS E "PARTIDOS"
    COM MAIS VÁRIOS ANOS DE MANDATO?
    O CANDITATO DO ex-PT seria o Lula?
    Que outros candidatos se apresentariam?

    EVIDENTE QUE DILMA JÁ NÃO ESTÁ CONSEGUINDO REAGIR E VAI SAIR DE
    CENA DE ALGUMA FORMA... È PREFERÍVEL QUE SAIA já...a SITUAÇÃO
    ECONÔMICA DO PAÍS VAI PIORANDO MUITO COM ESTA "AGONIA"
    PARALIZANTE DE TODAS AS ÁREAS DA "VIDA" ECONÔMICO-SOCIAL..

    MAS outra eleição COM O MESMO QUADRO atual seria um prolongamento
    da crise....
    Há, ao menos, que mudar alguma coisa...

    O cenário "mais provável" seria o afastamento dela por seis meses
    para ser "investigada" e, com um presidente interino (Temer,
    Renan, Eduardo Cunha...) haver uma "limpeza geral" no executivo
    e algumas regras diferentes para as eleições "normais de 2016...

    Depois de se tornar DEFINITIVO O AFASTAMENTO da presidente
    e empossado seu substituto LEGAL...DECIDIR SE ELE COMPLETA
    O MANDATO E/OU HÁ NOVAS ELEIÇÕES.
    MAS... DENTRO DO QUADRO LEGAL VIGENTE HÁ UM CRONOGRAMA
    PARA ESTE "CAMINHO"...Diz Heitor Carvalho, Belo Horizonte/MG, por e-mail

    ResponderExcluir