domingo, 23 de fevereiro de 2014

COPA DE 2014: NÃO VAI TER COPA?: CONHEÇA OS QUE INTEGRAM O MOVIMENTO



NÃO VAI TER COPA?
Dado os objetivos sinistros dos que promovem o “MOVIMENTO NÃO VAI TER COPA” e das graves conseqüências que podem advir, levo ao conhecimento dos leitores deste blog o que pesquisei a respeito na internet:

22 de fevereiro de 2014
Bárbara Ferreira Santos e Fabio Leite - O Estado de S. Paulo
“Megaoperação da PM usa pelotão ninja, isola black blocs e prende 230
Protesto deixou oito feridos e teve mais de mil manifestantes, um deles levava uma mochila com coquetel molotov; PM iniciou revista na saída do Metrô; policiais detiveram ativistas com golpes de artes marciais; houve depredação no centro de SP
SÃO PAULO - O protesto Não Vai Ter Copa terminou com 230 detidos na noite de deste sábado, 22 - o maior saldo de prisões em manifestações. No centro de São Paulo, houve quebra-quebra e agressões feitas por manifestantes e por policiais militares. Os participantes do ato foram cercados e detidos pelos integrantes do pelotão ninja, o grupo de policiais especializados em artes marciais.
Epitácio Pessoa/Estadão
Policias detiveram manifestantes com golpes de artes marciais
Às 23h30 deste sábado, 37 detidos foram liberados do 4.º Distrito Policial (Consolação).
A nova estratégia da PM era apoiada pela Tropa de Choque e por um helicóptero. O objetivo era isolar os black blocs dos demais manifestantes. Pelo menos oito pessoas ficaram feridas - cinco PMs, dois ativistas e um jornalista.
O tumultuo começou às 19h30. Os PMs cercaram um grupo de manifestantes na Rua Xavier de Toledo, no centro. No momento da detenção, nenhum deles estava cometendo vandalismo. A PM, porém, informou que só agiu após os primeiros atos de depredação.
Os policiais apanharam os manifestantes com golpes de artes marciais, como o chamado "mata leão", e desferiram golpes de cassetete. Eles retiravam um a um os manifestantes do meio do grupo. Até uma mulher sem máscara foi imobilizada pelos PMs e jogada ao chão.
A ação dividiu os manifestantes em dois grupos. Uma parte deles, formada principalmente por black blocs, correu para o Viaduto do Chá, quebrando lixeiras, depredando duas agências bancárias e orelhões. Também atacaram PMs com paus e garrafas. O segundo grupo voltou à Praça da República, local de origem do protesto, e caminhou pacificamente para a Rua da Consolação.
Enquanto isso, os policiais reuniam os detidos na Rua Xavier de Toledo, entre as Rua 7 de Abril e o Viaduto do Chá. Um cordão de isolamento dos PMs impedia que qualquer pessoa visse ou filmasse o que estava acontecendo com os detidos.
Todos foram obrigados a aguardar sentados a chegada de cinco ônibus que os conduziram a 7 delegacias, onde foi feita uma triagem para que a polícia decidisse quem seria autuado em flagrante - entre os detidos, havia cinco jornalistas que estavam trabalhando.
Mais tarde, a PM deteve mais 50 pessoas no Vale do Anhangabaú, entre elas uma repórter do Estado. Segundo a PM, os manifestantes detidos tinham máscaras, sprays, estilingues, bolas de gude e correntes.
No 78.º Distrito Policial havia 30 detidos. Segundo o advogado André Zanardo, do Coletivo Advogados Ativistas, a polícia fez um Boletim de Ocorrência coletivo acusando todos de desacato, resistência, desobediência e lesão corporal. "Não há nenhuma lei que ampare essas detenções", disse.
Barreira. Ao todo, cerca de mil manifestantes participaram do protesto. A PM não informou o total de homens que ela mobilizou. O ato havia começado às 17h. Os PMs haviam montado uma barreira na saída das estações do Metrô no centro e revistavam as mochilas de quem saía de lá. Um manifestante abandonou uma mochila com coquetel molotov dentro e foi filmado por câmaras do Metrô. Pessoas que passavam também relataram agressões feita por PMs. Fontes: http://www.estadao.com.br

Conheça os ativistas que gritam "não vai ter Copa"
Ciro Barros, Da Agência Pública, 20/02/2014
“Protestos contra a realização da Copa do Mundo no Brasil
O cenário é um centro acadêmico de uma universidade na zona oeste de São Paulo, num início de noite de um final de janeiro surpreendentemente seco. Sentadas em roda estão cerca de 20 pessoas. Enquanto a reunião não começa, as pessoas conversam em voz baixa, fazendo críticas à polícia, à Copa, ao governo federal, ao governo do Estado de São Paulo. O grupo é heterogêneo: homens mais velhos, adolescentes de ambos os sexos, mulheres, trabalhadores, estudantes.
Em comum, eles têm o fato de pertencer a movimentos sociais – dos mais tradicionais, experientes em protestos de rua, aos mais recentes, que ganharam notoriedade a partir da onda de manifestações de junho do ano passado.
Eles estão ali para organizar o segundo ato do ano sob um lema polêmico: "Se não tiver direitos, não vai ter Copa".  O primeiro ocorreu no dia 25 de janeiro.
Nas redes sociais, as quatro últimas palavras do lema do grupo causaram furor nesse início de ano, embora o "Não Vai Ter Copa" tenha surgido nas ruas, em junho, durante algumas manifestações. Também foi agora que o PT e o governo federal reagiram nas redes sociais, preocupados com a possibilidade de que as manifestações empanem o brilho da Copa no Brasil em ano de eleições – e tenham o mesmo efeito devastador de popularidade que a presidenta Dilma (como todos os governantes) enfrentou em junho do ano passado.
No domingo, dia 12 de janeiro, a 13 dias da primeira manifestação chamada pelo coletivo, a reação do PT veio em um post na página oficial do partido no Facebook: "Tá combinado. Uma boa semana para todos que torcem pelo Brasil". Acompanhada da frase, havia uma foto com a hashtag #VaiterCopa. Na página oficial da presidenta Dilma, o mesmo tom: "LÍQUIDO E CERTO. Uma boa semana para todos que torcem pelo Brasil" e mais uma vez uma foto com a mesma hashtag. Hoje, a hashtag usada pelo governo e o PT é #CopadasCopas, o mote oficial.
Nos blogs e redes sociais, houve quem tratasse o movimento como "terrorista" e "caso de polícia". Críticos mais moderados afirmam que os protestos da Copa, se tivessem o mesmo efeito devastador na popularidade da presidenta Dilma, estariam abrindo caminho para os partidos de direita.
Mas afinal, o que é esse novo movimento? O que pretende? Como eles responderiam às críticas das quais têm sido alvo? Foram essas perguntas que me levaram àquela reunião.
Violência durante manifestação contra a Copa
MANIFESTO E O CRESCIMENTO DA ARTICULAÇÃO
No dia 10 de dezembro do ano passado, Dia Internacional dos Direitos Humanos, foi lançado um manifesto do movimento com o título "Se não tiver direitos, não vai ter Copa". "(…) Junho de 2013 foi só o começo! As pessoas, os movimentos e os coletivos indignados que querem transformar a realidade afirmam através das diversas lutas que sem a consolidação dos direitos sociais (saúde, educação, moradia, transporte e tantos outros) não há possibilidade do povo brasileiro admitir megaeventos como a Copa do Mundo ou as Olimpíadas. Isso significa que as palavras de ordem no combate a esses governos que só servem às empresas e ao lucro devem ser: 'Se não tiver direitos, não vai ter Copa!'", dizia um trecho do manifesto.
E seguia adiante: "Nossa proposta é barrar a Copa! Mostrar nacionalmente e internacionalmente que o poder popular não quer a Copa!". Depois, o manifesto se referia às manifestações contra o aumento da tarifa de transportes que detonaram a onda de protestos em junho: "Os dirigentes políticos disseram que era impossível atender a pauta das manifestações pela revogação do aumento, entretanto o poder popular nas ruas nos mostrou que realidades impossíveis podem ser transformadas, reivindicadas e conquistadas pelo povo. E mesmo assim dirão: 'mas isso é impossível!' Então nós diremos: 'o impossível acontece!'".
Cinco movimentos assinam o manifesto. O mais conhecido deles talvez seja o Movimento Passe Livre (MPL), um dos principais catalisadores dos protestos políticos em junho com a pauta do modelo de transporte público. Os outros são o Fórum Popular de Saúde do Estado de São Paulo, articulação que reúne diversos coletivos em defesa das melhorias na saúde pública; o Coletivo Autônomo dos Trabalhadores Sociais, que reúne, principalmente, assistentes sociais que atuam em São Paulo; o Periferia Ativa, fundado por comunidades da zona sul e da região metropolitana da capital paulista; e o Comitê Contra o Genocídio da População Preta, Pobre e Periférica, que combate a violência da polícia e dos grupos de extermínio ligados a ela que atuam nas periferias.
"NÃO SOU FILIADO A NADA"
Os focos das organizações, como se vê, são diferentes, mas o que as une é a luta pelos direitos humanos da população excluída, que consideram ainda mais ameaçados pela realização da Copa. Sérgio Lima, do Fórum Popular de Saúde, descreve assim os integrantes do movimento: "É um pessoal que já participou de muita luta, pessoal de movimento social mesmo, que tá cansado de gabinete e tudo mais. Eu sou um caso que postulei muito tempo luta de gabinete. Mas hoje não sou filiado a nada", afirma. E explica os objetivos do grupo: "A meu ver, é dizer que a gente não precisava da Copa nesse momento, diante de tantas mazelas em transporte, educação, saúde. Acredito que é nesse sentido".
Quando lembro as críticas, expressas principalmente nas redes sociais, de que o "Não vai ter Copa" serve aos partidos de direita, ele dá risada. Conta que, inclusive, já foi filiado ao PT. "Eles sempre dizem isso", desdenha.
Pergunto então se  eles realmente pretendem barrar a Copa, e de que maneira. "É um objetivo sim. De enfrentamento mesmo, a gente sabe que é uma luta desleal e cruel, mas a gente tem isso como pauta, sim. Queremos ganhar a massa, ganhar corpo e fazer o enfrentamento com os protestos nas ruas. Não queremos nenhum ato violento, nem se cogita isso. Queremos barrar com os protestos mesmo", afirma.
Veja o que deu certo e o que deu errado no último ano de preparação para o Mundial no Brasil
A onda de protestos que se alastrou pelo país teve seu pico durante a Copa das Confederações. Manifestantes contrários aos gastos públicos com a Copa foram para frente dos estádios nas seis sedes e houve confronto com a polícia
ANTICAPITALISTAS
Além das organizações citadas, o movimento também atraiu ativistas que militavam em partidos políticos à esquerda do PT, como o PSTU e o PSOL. O movimento Juntos!, por exemplo, que surgiu no início de 2011 a partir da juventude do PSOL, também forma a base de apoio.
"A gente entende a Copa do Mundo como parte de um aspecto crítico do crescimento capitalista. Com o crescimento, ao invés de termos investimentos nos setores públicos, em saúde, educação, transporte, moradia, o que temos é um processo de subserviência ao projeto tradicional de acumulação, que é esse megaevento comandado por uma entidade absolutamente corrupta como a Fifa. O único objetivo da Copa é enriquecer os parceiros comerciais da Fifa e as grandes empresas no Brasil. E isso tem sido feito com a produção de cidades de exceção", afirma Maurício Costa Carvalho, do Juntos!.
Para Maurício, os protestos de agora fazem parte de uma sequência de manifestações que vem ocorrendo nos últimos anos no mundo todo – dos indignados na Espanha ao Occupy Wall Street nos Estados Unidos.
Foram esses protestos, ele diz, que motivaram a criação do Juntos!: "Todos os governantes tiveram a sua popularidade bastante desgastada depois das jornadas de junho. Isso mostra que não é um problema de um partido ou de outro, só. É um problema da estrutura da velha política partidária no país. As manifestações mostraram que é necessário ter mudanças estruturais. E essas mudanças passam por ter uma política que é completamente distinta dessa política que vem sendo feita. É necessário que se ouça a voz das ruas e que a política não se resuma a passar um cheque em branco a um candidato a cada dois anos".
Pergunto se a ligação do Juntos! com o PSOL, que vai lançar o senador amapaense Randolfe Rodrigues como candidato à presidência neste ano, compromete a independência partidária do grupo. "O Juntos! é um grupo que têm militantes do PSOL, mas que tem muitos militantes que não são do PSOL, tem seus fóruns próprios, seus próprios grupos de discussão. Existem militantes do PSOL que participam de vários grupos diferentes. Então não tem nada ligado à estrutura do PSOL", diz.
CIBERATIVISMO
Desde a redação do manifesto, a articulação se define como horizontal, sem que ninguém chame para si o papel de líder ou organizador do movimento. Todos participam da discussão das pautas e estratégias dos atos. E o coletivo continua a atrair novos atores, como integrantes do Sindicato de Metroviários de São Paulo, membros de movimentos de moradia como o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), representantes do movimento estudantil, do GAPP (Grupo de Apoio ao Protesto Popular), um coletivo que presta primeiros socorros aos manifestantes atingidos, entre outros.
Um caldo bem heterogêneo, basicamente formado por movimentos urbanos de esquerda com pautas clássicas (moradia, saúde, educação, transporte…) e outros de ciberativismo, como demonstram as páginas do Facebook "Contra a Copa 2014" e "Operation World Cup", do grupo Anonymous.
"Houve uma junção [com os grupos de ciberativismo]. Tinha uma rapaziada que já tinha criado um evento no Facebook chamando protestos contra a Copa e a gente se articulou com eles e chegamos com uma pauta mais concreta", conta Sérgio Lima do Fórum Popular.
Segundo os ativistas ouvidos pela reportagem da Pública, os grupos que atuam online têm duas funções básicas: ajudar a divulgar os protestos e veicular a versão dos manifestantes para episódios controversos. O ato do dia 25 de janeiro, por exemplo, era focado em São Paulo, já que tinha como gancho o aniversário da capital paulista. Mas a divulgação e articulação nas redes acabou multiplicando os protestos em outras cidades do país.
O grupo online também se articulou para rebater as informações de que adeptos do Black Bloc teriam incendiado o Fusca do serralheiro Itamar Santos, de 55 anos. As primeiras informações da imprensa davam conta de que o carro tinha sido incendiado pelos adeptos da tática, mas a página "Contra a Copa 2014" divulgou um vídeo, três dias depois, mostrando imagens de Itamar tentando passar com o Fusca por cima de um colchão em chamas, que ficou preso no carro e o incendiou.
Há muitos membros de movimentos sociais, porém, que associam o Anonymous e outros grupos ciberativistas a setores conservadores, até mesmo à própria polícia.  Eles se declaram apartidários
Favela Metrô-Mangueira
Uma das entradas da comunidade Metrô-Mangueira, que fica a cerca de 700 metros do Maracanã, no Rio, Daniel Marenco/Folhapress
BANDEIRAS CLÁSSICAS
"Se tem alguém de direita ali, está muito bem escondido", afirma categoricamente Sérgio Lima. Maurício Carvalho, do Juntos!, concorda: "Nós estamos elaborando uma lista de reivindicações de direitos básicos de algumas bandeiras que estão envolvidas em seis eixos: saúde, educação, transporte, moradia, contra a ingerência da Fifa e contra a repressão. E todas essas bandeiras são históricas que a esquerda e os movimentos sociais construíram".
Outro membro da articulação é o ativista Vitor Araújo, o "Vitinho", que perdeu um olho em uma manifestação do último dia 7 de setembro, em São Paulo, enquanto cobria a manifestação pelo Basta TV, um canal independente. Vitor afirma que perdeu o olho depois de uma bomba da Polícia Militar estourar perto do seu rosto – episódio que o motivou a seguir nas ruas. "Nosso movimento é horizontal e não partidário, nem ideológico. Existe muita discussão, muita gente com ideologia diferente, mas temos um único cunho que é 'Se não tiver direitos, não vai ter Copa': direito à saúde, à educação, à moradia, à segurança pública. São por esses méritos que cada uma das pessoas luta por um objetivo final", afirma.
A fala de Vitor parece ilustrar a crise de representação política tão citada pelos sociólogos no momento em que vivemos. Ele diz não acreditar nos métodos da política clássica, apesar de não se opor à participação de ativistas que militam nos partidos.   "Nossa luta é por direitos básicos, que estão na Constituição e não acontecem. Não tem vinculação a partidos, a ideologias", realça, acrescentando que também já fez manifestações contra o chamado "Propinoduto Tucano" (denúncia de corrupção nos contratos do metrô e trens de São Paulo) e que não há motivos partidários nas manifestações contra a Copa.
"É simples: havia um acordo, que era o do governo montar toda uma estrutura em volta da Copa, dos estádios. Isso não aconteceu e é por isso que a gente luta. São sete anos e eles não cumpriram esse acordo", explica.
Vitor também nega a presença tanto de "pessoas assumidamente de direita" como de adeptos da tática Black Bloc na concepção e organização dos movimentos contra a Copa. "Os protestos são convocados na internet, nas redes sociais, são abertos. Eles veem e se organizam para ir lá", diz. Também diz entender a atitude Black Bloc como uma reação à violência policial. "Posso te dizer, já fui em muita manifestação aqui em São Paulo e quem começa a reprimir é sempre a PM", afirma.
Vários protestos sob o lema "Se não tiver direitos, não vai ter Copa" estão previstos para acontecer nesse semestre. Cada protesto levantará a bandeira de um direito que, na visão dos ativistas, é negado à população, ou então problemas concretos acarretados pela Copa. No dia 22 de fevereiro está marcado um ato na Praça da República, centro de São Paulo. O mote do protesto é a educação.
COM CAUTELA
A ANCOP (Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa) apoia os atos realizados pelos coletivos, mas não participa de sua articulação. Cada Comitê Popular em cada cidade-sede tem independência para aderir ou não aos atos.
"O lema 'Não vai ter Copa' veio das ruas, das manifestações, não foi imposto por nenhum grupo político. A gente claro que aceita. Não temos a pretensão de ser vanguarda ou monopolizar a resistência à Copa. Mas no entendimento que a gente tem discutido bastante, o 'Não Vai Ter Copa' é muito mais uma palavra de ordem do que um objetivo concreto. Dentre os nossos objetivos não está não acontecer a Copa. Temos objetivos concretos, como reparações às vítimas da Copa", diz Marina Mattar, do Comitê Popular de São Paulo.
"Dá para perceber que são movimentos bem heterogêneos, tem de tudo nessa proposta. Ela vem com pouco debate político e alguns comitês não conseguem contato com quem tá propondo, organizando. Aqui em Porto Alegre a gente não conhece as pessoas que estão propondo isso", diz Claudia Favaro, do Comitê Popular de Porto Alegre.
"Quando chamaram o ato do dia 25, não foi conversado com o Bloco de Lutas pelo Transporte Público e nem com o Comitê, que são os espaços onde os coletivos estão organizados. Aqui a gente não tem essa posição de que mobilização só se chama pela internet. E existe uma preocupação por parte da esquerda em geral da apropriação da pauta por setores mais conservadores. A gente se soma ao grito de 'Não vai ter Copa' entendendo que é uma amarra na garganta de um povo que já está oprimido há um tempo, mas ainda vemos com cautela", diz ela.
"Em todos os debates que a gente teve a gente acha até ruim que o debate fique polarizado entre 'Vai ter Copa' e 'Não Vai Ter Copa'. Fica então uma discussão superficial, a gente não discute as violações. E o que a gente quer discutir são as violações", opina Renato Cosentino, do Comitê Popular do Rio de Janeiro. "Tanto as violações diretas em decorrência da Copa como as de modelo de cidade que a Copa do Mundo faz parte. É isso que a gente vem tentando dar destaque. Mas é claro que a gente apoia o lema e as mobilizações contra a Copa", completa
Protestos, Copa, eleições: para entender a atualidade
O jornalista e colunista do UOL Leonardo Sakamoto sugere a leitura de "Cidades Rebeldes - Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil". O livro reúne textos de autores nacionais e internacionais que podem ajudar a pensar as manifestações que tomaram as ruas do país a partir de junho de 2013. O livro "faz um debate do que está acontecendo e é ótimo para entender um pouco esse admirável mundo novo", considera Sakamoto.”
Fonte:  http://www.uol.com.br/


Nenhum comentário:

Postar um comentário