quinta-feira, 4 de julho de 2013

DILMA ESTÁ ENCURRALADA?



GOVERNO DILMA SE DETERIORA

Cresce a rebelião da base aliada do governo Dilma, composta de 14 partidos. Nem mesmo dentro de seu próprio partido, o PT, ela tem maioria confiável. 

Ideias de Dilma sofrem ataques até da base aliada. Plebiscito poderá sair somente em 2014 e não em 2013 como ela deseja. Vejam:
'Quem pediu plebiscito? Falta gestão', diz petista
Deputado Devanir Ribeiro explicita falta de consenso da bancada petista com proposta de consulta popular encampada por Dilma
Vera Rosa - O Estado de S. Paulo, 04/07/13
“O plebiscito proposto pela presidente Dilma Rousseff para mudar o sistema político divide até o PT. Embora a Executiva Nacional petista vá aprovar nesta quinta-feira um cronograma de mobilização, conclamando os militantes a se engajarem na campanha em defesa do plebiscito, a consulta popular não tem apoio unânime nem mesmo na bancada do PT na Câmara. Em meio à polêmica, o coro do “Volta Lula” é agora ensaiado por uma ala do partido que faz críticas contundentes à articulação política do governo Dilma.”
Dilma compareceu ao Estádio Nacional de Brasília na abertura da Copa das Confederações e tomou duas estrondosas vaias e nem pode fazer seu pronunciamento para a abertura da competição. Temendo passar por vexame ainda maior, cancelou sua ida ao Maracanâ na partida final entre Brasil e Espanha, onde entregaria a taça ao vencedor. E vejam o novo vexame: 

Blog da Sônia Aracy – Estadão, 04/07/13
Dilma telefonou três vezes para Felipão. A primeira antes do jogo contra o Uruguai; a segunda, antes da final com a Espanha; e a terceira, logo depois do título. Foi nesta que fez o convite para a seleção visitá-la.
Segundo conta o treinador, não foi possível atender à presidente naquele mesmo dia – os jogadores já estavam de partida –, mas ele abriu a possibilidade de irem ao Planalto em 6 de setembro.
Na data, a seleção voltará a Brasília para amistoso – provavelmente, contra a Austrália”.

DILMA ESTARÁ PRISIONEIRA?
Carlos Chagas
Dilma pode estar prisioneira de conspiração para melar jogo político

Publicado: 4 de julho de 2013 

                                                                A presidente Dilma levou menos de 24 horas para desistir da proposta da Constituinte exclusiva, percebendo a fria em que se tinha metido. Por que, agora,  ela insiste na realização do plebiscito sobre a reforma política, apesar de as reações serem iguais ou até maiores do que diante da primeira sugestão?
                                                               Alguma coisa não está batendo nessa equação. Os presidentes da Câmara e do Senado escondem sua discordância plena achando  “muito difícil”  viabilizar a consulta popular em tempo rápido. O vice-presidente da Republica, também. As bancadas do PMDB  saltam de banda, anunciam que não vão apoiar, assim como o PP, o PTB e o PSD, entre outros partidos da base aliada. Sem contar as oposições. A presidente do Tribunal Superior Eleitoral, por escrito, enfatiza “não estar  a Justiça Eleitoral autorizada constitucional e legalmente  a submeter ao eleitorado consulta sob cujo tema ela não possa responder”. Juristas contestam, a mídia se posiciona contra, as multidões não estão nem aí. Insurgem-se até ministros do governo. 
                                                               Então, por que diabo, a presidente finca pé no plebiscito? Será pela vaidade de não querer submeter-se a  uma segunda derrota? Para  retomar o  comando do processo político posto em frangalhos pelas manifestações de rua? Para testar sua hoje dispersa maioria parlamentar?
                                                               Ou… Ou, supõem alguns observadores, Dilma está prisioneira de uma conspiração destinada a melar o jogo político, com efeitos nas instituições e nas  eleições de outubro de 2014.  Que tal não realizá-las, até para não perdê-las, prorrogando-se todos os mandatos, inclusive ou principalmente os de deputado e senador? A presidente teria sido  embrulhada, encontrando-se  impotente para conter a trama orquestrada à sua sombra? Quem será o maestro: Lula, Mercadante, Rui Falcão, Gilberto Carvalho?  
                                                               Pode parecer loucura essa simples suposição, quando a democracia encontra-se  consolidada, mas algum motivo haverá para a intransigência da chefe do governo. No fim de tudo, sobra uma questão irrespondível: será que um plebiscito amorfo, insosso e inodoro poderá promover uma reforma política acima e além dos interesses do Congresso, a quem cabe promover a reforma?
 PROVOCAÇÃO
                                                                Exagerou a bancada do PMDB na Câmara ao sugerir, em nota distribuída à  imprensa, que numa demonstração de austeridade a presidente Dilma promova a imediata redução do número de ministros. Mais do que romper  com o palácio do Planalto, os deputados assinaram uma declaração de guerra. Reclamam austeridade de um governo que deveriam apoiar e ofendem sua chefe. Sem pregar, é claro, a entrega dos ministérios ocupados  pelos seis  ministros do partido.
 A ÚNICA SAÍDA
                                                                Continuando a paralisação dos caminhoneiros, que ontem não arrefeceu, mas, ao contrário, aumentou, sobrará uma única saída para o governo tentar evitar o desabastecimento de gêneros de primeira necessidade e de combustíveis: o emprego das forças armadas. Só elas seriam capazes de limpar as rodovias e evitar novas interrupções. Teria a presidente Dilma coragem para mobilizar Exército, Marinha e Aeronáutica, conforme permite a Constituição? Ou estaria atrasada quase cinqüenta anos, identificando nos militares os seus adversários?

Lula aparece abatido em palestra na Alemanha

  “Mais magro e pálido, segundo um diplomata brasileiro, o ex-presidente Lula pernoitou na casa do embaixador em Berlim, como noticiou a coluna, após conferência na Etiópia sobre a fome, organizada pelo Instituto Lula. O motorista do embaixador foi buscá-lo no aeroporto, onde desembarcou do jatinho de um empresário, com dois seguranças. Ontem se hospedou num hotel, antes de voar para evento em Leipzig.”
 Fala, mestre! - Lula dá palestra nesta quinta-feira no WorldSkills, torneio de educação profissional, com apoio da Volks e Samsung, e viaja direto para o Brasil”
Põe na conta  - O Itamaraty desconhecia a visita de Lula a Berlim, com o motorista à disposição, como se as mordomias do ex não saíssem do nosso bolso.“

Todos os santos - “Lula enfrenta momento difícil na luta contra a recidiva do câncer de laringe, recorrendo até ao médium João de Abadiânia, em Goiás.”

No limite - A bancada do PMDB na Câmara não poupou críticas ao governo Dilma durante reunião, a portas fechadas, na terça. A proposta mais aplaudida foi a de sepultar de uma vez a aliança com PT, em 2014.”
Fonte: http://diariodopoder.com.br/coluna/ (Cláudio Humberto – poder política e bastidores), 04/07/13 



Reinaldo Azevedo, VEJA, 04/07/2013

Dilma dá um piti e obriga Temer a se retratar… O governo está mais perdido do que cachorro caído de mudança em meio a um protesto contra… tudo isso que está aí!

Se eu não soubesse que a Irmandade Petista aguarda só o melhor momento para, se possível, golpear a democracia — ainda que recorrendo a instrumentos que o próprio regime democrático fornece —, seria o caso de sentir pena da presidente Dilma Rousseff e da turma. Estão num mato sem cachorro.

Como vocês viram, depois de se encontrar com José Eduardo Cardozo, ministro, vá lá, da Justiça, e Aloizio Mercadante, ora alçado à condição de primeiro ministro, sem hífen, ao menos no coração de Dilma, Michel Temer sepultou a possibilidade de o plebiscito valer já para a eleição de 2014. E ele deixou claro: se houver plebiscito! Segundo considerou, não sem razão, o Congresso pode fazer a reforma. Não será por falta de proposta.

Muito bem: quatro horas depois, Temer emitiu uma nota, com a chancela da Vice-Presidência da República, negando que o governo tenha desistido do seu intento. Está escrito lá: “O governo mantém a posição de que o ideal é a realização do plebiscito em data que altere o sistema político-eleitoral já nas eleições de 2014″.

Quatro horas antes, afirmou aos jornalistas: “Não há mais condições — e vocês sabem disso — de fazer qualquer consulta antes de outubro. E, não havendo condições temporais para fazer essa consulta, qualquer reforma que venha só se aplicará para as próximas eleições, e não para essa”.

Entre uma declaração e outra, houve um piti da presidente. Achou que foi desautorizada. Pois é… Um tema dessa importância, vejam vocês, está submetido a essa lambança.

O governo está mais perdido do que cachorro caído de mudança no meio de um protesto contra… tudo isso que está aí!”

Helvio Romero/AE - 19.12.2013:
Deputado Devanir Ribeiro, amigo de Lula há 30 anos, quis terceiro mandato.

“Eu acho que já está na hora de o Lula voltar”, afirmou o deputado Devanir Ribeiro (PT-SP). Autor da proposta de terceiro mandato para o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Devanir disse que os protestos nas ruas tiveram outra motivação. “Quem pediu plebiscito? O que falta no governo Dilma é gestão. As pessoas querem transporte de qualidade, saúde e educação. Dinheiro tem. É só investir.”

Para Devanir, a presidente continuará enfrentando problemas em sua base aliada, e não apenas com o PMDB, enquanto não der autonomia aos ministros para fazer a articulação política do governo. “A Ideli, coitada, é como um elefante numa loja de cristais”, definiu o deputado, numa referência à ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, responsável pela negociação com o Congresso.

Amigo de Lula há mais de 30 anos e diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo na época em que ele comandava a entidade, Devanir afirmou que a reforma política é assunto para “outro departamento”. A proposta enviada por Dilma ao Congresso prevê que a população seja consultada sobre cinco pontos: financiamento de campanha, sistema de votação, término dos suplentes no Senado, voto secreto no Parlamento e fim das coligações partidárias.

“Eu sou contra esse plebiscito, mas voto com o governo. Agora, querer jogar para o povo uma coisa que não conseguimos resolver há mais de dez anos não vai dar certo”, insistiu Devanir. “Essa reforma é para salvar os partidos, não é de interesse da sociedade.” Na sua avaliação, a convocação de uma Constituinte exclusiva para votar a reforma política seria mais apropriada. A sugestão chegou a ser feita por Dilma, mas ela recuou diante das resistências ao assunto, até mesmo por parte do vice-presidente Michel Temer.

Ao lembrar que o PSB do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, quer incluir no plebiscito o fim da reeleição e o mandato de cinco anos, Devanir foi irônico. “Como dizia Vicente Mateus, isso é uma faca de dois legumes”, afirmou ele, em alusão ao ex-presidente do Corintians. Campos deve ser adversário de Dilma na eleição de 2014.

Decepção. Na tentativa de amenizar a crise, o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse que as discordâncias em relação ao plebiscito são “naturais”. Na terça-feira, a bancada do PMDB na Câmara fechou questão contra a realização do plebiscito neste ano e, a portas fechadas, considerou a iniciativa como “manobra”, termo empregado pelo PSDB e outros partidos de oposição.

“O PT também tem divergências, o PSB, o PDT... Isso faz parte”, desconversou Carvalho. Mesmo assim, o ministro observou que será “uma decepção” se as mudanças não valerem para as eleições de 2014. “Se é verdade que queremos acabar com a corrupção, é importante que façamos uma reforma estrutural na política, que trabalhe primeiro o financiamento público de campanha.”

Em vídeo postado no site do PT, o presidente nacional do partido, Rui Falcão, conclamou os militantes a apoirem a consulta popular proposta por Dilma e disse que ela é “sensível” à voz das ruas. “Não há prazo, nenhuma dificuldade técnica, a nosso ver, que impeça a realização desse plebiscito”, argumentou Falcão.

O deputado José Genoino (PT-SP) encaminhou à bancada petista proposta de emenda constitucional prevendo que a população autorize os parlamentares  eleitos em 2014 a revisar os artigos da Constituição que tratam do sistema eleitoral e partidário. A reforma passaria, então, por uma Assembléia Revisora e, depois, seria submetida a um referendo popular, em abril de 2016.

Trata-se de um “plano B” para salvar as mudanças sugeridas pelo governo no sistema político, diante das resistências observadas em todos os partidos, da base aliada à oposição. “Sem plebiscito não tem reforma política. Só tem reforma cosmética”, comentou Genoino, que foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do mensalão.

Na reunião da Executiva do PT, nesta quinta-feira, o deputado Geraldo Magela (DF) vai propor que o plebiscito, se ocorrer, seja facultativo. “Quem não tem interesse na reforma política não deve ser obrigado a votar, porque senão vai votar de qualquer jeito”, disse Magela. “As pessoas devem votar por convicção, e não por obrigação.”

2 comentários:

  1. Rubens Silva Pontes, Serra/ES, por e-mail, disse:

    “Vejo nesses episódios, uma estratégia dos petistas-lulistas para desestabilizar o governo ( do seu próprio partido!) e, a exemplo dos sebastianistas portugueses, esperar o retorno de seu amado imperador-companheiro.”

    ResponderExcluir

  2. Ronaldo de Macedo Campos, por e-,mail, disse:

    “NÃO A PROPOSTA DE CONSULTA POPULAR! AS PERGUNTAS JÁ FORAM FEITAS PELA POPULAÇÃO E COM DIVERSIDADE.
    REFORMA POLITICA.
    NÃO AO FUNDO PARTIDÁRIO.
    PARTIDOS TEM QUE SE AUTO SUSTENTAR.. REDUZ-SE O NUMERO DE “POLITIQUEIROS”.
    NÃO AO HORÁRIO GRATUITO DE TV E RADIO. TEM QUE PAGAR COMO QUALQUER EMPRESA PAGA PARA APARECER.
    NÃO AOS RECURSOS PÚBLICOS PARA CAMPANHA ELEITORAL, PELO MESMO MOTIVO E DA JUSTIFICATIVA ACIMA..VAMOS REDUZIR DRASTICAMENTE OS PARTIDOS.
    REFORMA MINISTERIAL.
    QUEM FAZ SANEAMENTO BÁSICO?CONSTRUÇÃO DE CASAS? MOBILIDADE URBANA? RESPOSTA: MINISTÉRIO DAS CIDADES.
    TODOS OS RECURSOS E DOTAÇÕES DESTINADOS AO MINISTÉRIO E OU SECRETARIAS DESTE MINISTÉRIO.
    OS MINISTÉRIOS QUE RECEBEM DOTAÇÕES SOBREPOSTAS A ESTA ATIVIDADES(COMO VÁRIOS RECEBEM),PERDEM OS RECURSOS.
    CADA UM NO SEU QUADRADO, DIZ O POVO!
    NÃO AS EMENDAS DOS PARLAMENTARES! OS PREFEITOS VÃO OFICIALIZAR SEUS PEDIDOS DIRETAMENTE AO GOVERNO DO ESTADO E UNIÃO, PUBLIQE-SE , ANALISE A RELEVANCIA PELO COMITÊ DE PLANEJAMENTO E CUMPRA-SE.
    DOIS DEPUTADOS POR ESTADO, INDEPENDENTMENTE DAS POPULAÇÕES DESSES ESTADOS. FUNÇÃO FISCALIZAR O EXECUTIVO! NÃO AS COMENDAS!
    DOIS DELEGADO POR ESTADO PARA LEGISLAR EM UMA CÂMARA DESIGNADA PARA ESTA ATIVIDADE DE RELEVANCIA!
    PLANOS PLURIANUAIS A SEREM RIGOROSAMENTE CUMPRIDOS E CONTINUADOS.
    NÃO AO TREM BALA! PODE SER O TREM COMUM , MAIS BARATO E DE MULTI UTILIDADE! MOBILIDADE DE CARGAS E PASSAGEIROS!
    NÃO AO REPASSSE DA CAIXA ECONOMICA FEDERAL PARA ENTIDADES LIGADAS AO ESPORTE PROFISSIONAL E PRESTAÇÃO DE CONTAS TRIMESTRAIS PARA REPASSES AO ESPORTE AMADOR.
    NÃO AOS SINDICATOS QUE NÃO PRESTAM CONTAS DOS DINHEIROS REPASSADOS .
    NÃO AO REPASSE DE VERBAS PÚBLICAS PARA ONGS QUE NÃO TEM FUNÇÃO SOCIAL DEFINIDA. CUMPRA-SE A PRESTAÇÃO DE CONTAS.
    NÃO AO DESCUMPRIMENTO DE RESPONSABILIDAE FISCAL DOS GOVERNOS.
    NÃO A RESERVA DE MERCADO DE ONIBUS E CAMINHÕES.
    ANDAMOS EM CARROÇAS.CADEIRANTES NÃO TEM MOBILIDADE GARANTIDA. DEPENDEM DO MOTORISTA E TROCADOR PARA ELEVAREM O PASSSAGEIRO , ENQUANTO, EXISTEM ÕNIBUS COM CHASSIS MAIS MODERNOS QUE PERMITEM ACESSO DIRETO. NÃO HÁ DEGRAUS A VENCER E SIM RAMPA AO NIVEL DO MEIO FIO.
    NÃO A TARIFAÇÃO QUE ESCONDE A APLICAÇÃO CORRETA DA “TIR” . AUDITAGEM POR EMPRESAS DE AUDITORIA EXTERNA.
    NÃO A CONTRATAÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS SEM PROJETO.
    NÃO AO CONCORRENTE A CARGO PÚBLICO COM AÇÃO AJUIZADA, INDEPENDENTEMENTE DE TRANSITADO E JULGADO.
    POLITICO SOMENTE AQUELE QUE SE APRESENTE COM MORAL ILIBADÍSSIMA...
    NÃO AO IMORAL ,A FALTA DE ÉTICA.
    NÃO AO SALARIO BANDIDO, AO AUXILIO PROSTITUTA, AUXILIO PALETÓ, AUXILIO MORADIA E TANTAS OUTRAS BANDALHEIRAS!
    USAR BEM PÚBLICO EM BENEFICIO PRÓPRIO, SÓ O PRESIDENTE DO SENADO ! ah! PODE!”

    ResponderExcluir