sexta-feira, 14 de agosto de 2009

NOVOS TEMPOS

NOVOS TEMPOS
(*) THEODIANO BASTOS

Mas os tempos são outros. “Diz o psicanalista francês Charles Melman (Veja 23/04/08 pág. 92): Assistimos hoje a um acontecimento que talvez não tenha precedente na história, que é a dissolução do grupo familiar. Pela primeira vez a instituição familiar está desaparecendo, e as conseqüências são imprevisíveis” Os jovens de 18 a 30 anos não procuram o psicanalista pelo fato de reprimirem seus desejos, mas porque não sabem o que desejam. Busca rápida do prazer. A idéia é aproveitar sem se envolver, o sexo sem compromisso, o prazer ocasional, sem compromisso. Não existe mais o conceito de pecado. É o liberou geral, a busca imediata de prazer máximo, sem freios nem restrições.O mundo virtual pela internet... Ali qualquer um pode viver uma série de vidas sucessivas sem nenhum compromisso definitivo NOS PERÍODOS DE CRISE MORAL, COMO O ATUAL, as pessoas querem se distanciar da realidade, não querem um limite. Antes se preocupavam porque não ousavam realizar seus desejos... TUDO AO MESMO TEMPO E AGORA.
Vivemos a era da incerteza, do lusco-fusco, aurora e trevas, o sol da madrugada, a era dos extremos. Os muros caíram os sonhos se desvaneceram, ideologias não exercem mais fascínio, , como também um curso, um diploma que garanta mais emprego. Estudar para quê? Os jovens se perguntam. Como dissipar a ansiedade dos jovens que não conseguem entrar no mercado de trabalho e dos desempregados que não sabem como voltar a ele? A verdade é que vivemos em um mundo no qual a única certeza é a de que tudo muda ou pode mudar. Algum tempo atrás cada geração vivia melhor que a anterior. Agora não é bem assim. Está se desconstruíndo um mundo sem construir uma coisa nova em seu lugar.
Vazio existencial, falta de amparo emocional no seio da família, ausência de perspectivas de vida decorrente da falta de trabalho, enfim, caminhamos para o desconhecido. Para onde vamos? Cada vez mais homens sem rostos, que acreditam serem deuses e que elegeram o dinheiro como uma religião universal, tomam decisões nas empresas transnacionais que afetam a vida dos cidadãos em todos os cantos do mundo. O desenganjamento é a característica dos nossos tempos. As pessoas estão desiludidas politicamente, e mesmo quem não está fica desorientado.
Hoje os adversários são muito mais difusos. Uma grave ameaça à democracia participativa. Estamos cada dia mais desesperados e infelizes com o estilo de vida que levamos. O estilo de vida é de uma velocidade vertiginosa, ninguém tem mais tempo para a reflexão sobre o significado da vida, a meditação ou a contemplação. Isso é enlouquecedor. Estresse, ansiedade, angústia, correria. Globalização da economia, homens e mulheres transformados em meros consumidores de coisas.
Nas condições atuais divertir-se é alienar-se. Comprar coisas, comprar, comprar, comprar, é o novo ópio. O desemprego deixou de ser um mal econômico e social e passou a ser um bem econômico. As corporações multinacionais anunciam programa de desemprego e suas ações sobem nas bolsas, pois isso representa mais enriquecimento dos acionistas e executivos. O dinheiro, o dólar, cultuado como o “Bezerro de Ouro” Bíblico, “América, terra de ganâncias ilimitadas e esperanças traídas”. O medo dos pobres, o crime organizado, o fundamentalismo islâmico. O desencanto com as religiões, a desilusão com o materialismo, a sede de Deus, os moços abrindo a porta do inferno com as drogas (75% homens 20% mulheres e apenas 30% se curam), a violência grassando nos quatro cantos do mundo.
Crianças matando os pais, professores e colegas nas Escolas. A mídia eletrônica (TV vídeo, cinema, internet) cultuando a agressividade nas crianças e contribuindo para o desenvolvimento de uma sociedade cada vez mais violenta. A respeito, diz o famoso cineasta Steven Spielberg: “Assistir à violência no cinema ou em programa de TV estimula muito mais os espectadores a imitar o que vêem do assistir a ela ao vivo nos telejornais. No cinema, a violência é filmada com iluminação perfeita, em cenas espetaculares, em câmara lenta, tornando-a até romântica. Já no noticiário o público tem a percepção muito melhor de como a violência pode ser horrorosa, e usada com finalidade que não existem no cinema”, conclui.
O surgimento dos serial killlers juvenis. “Violência é definitivamente coisa de garoto e uma tendência masculina” (90% homens, 10% mulheres). Eros e Tanatos, amor e morte, as profecias de Nostradamus prevendo a batalha de Armagedom (nome de um monte do Iraque), as figuras sinistras de Gog e Magog, os quatro cavaleiros do Apocalipse: morte, fome, peste e guerra do “Livro das Revelações” da Bíblia, um texto fantástico e confuso de São João. Agora descobrem na biblioteca Nacional de Israel manuscritos de Isaac Newton “Os segredos de Newton”, revelando que o mundo deve acabar em 2006, baseando-se no texto bíblico do Livro de Daniel. “Ele pode acabar além desta data, mas não há razão para acabar antes”, revela. Segundo ele, l.260 anos se passariam entre a refundação do Santo Império Romano por Carlos Magno, no ano 800, e o final dos tempos.
Tudo isso torna confuso a cabeça dos moços, que precisam ser sacudidos para tirá-los da passividade. Muitos estão num nevoeiro, não enxergam bem o caminho, não têm projeto de vida, não têm esperança. Tão inclinados às ilusões quanto às desilusões, nos jovens o que prevalece não é a esperança de um progresso humanizado, de libertação, mas de exploração, da opressão, do poder de destruir. A realidade virtual, “grandes ambições com poucos esforços”. Gostaria de vê-los mais inquietos, mais pensantes, menos centrados no próprio umbigo, diz a escritora Fanny Abramovich, Nunca foi tão difícil ser adolescente. Dentro das brumas do amanhecer do novo milênio, os jovens estão marcados pelo dasajustamento entre o sonho e a realidade. Sentem dificuldade de superar o real do virtual: sexo virtual, ambições virtuais ilimitadas, violência virtual, tudo superexcitante, nada satisfaz.

ACELERAÇÃO DOS TEMPOS

O físico alemão W.O. Schumann constatou em 1952 que a Terra é cercada por um campo eletromagnético poderoso que se forma entre o solo e a parte inferior da ionosfera, acima de 100 km do solo do planeta. Esse campo possui uma
ressonância mais ou menos constante da ordem de 7,83 pulsações por
segundo. É uma espécie de marca-passo, responsável pelo equilíbrio da
biosfera. Schumam também verificou que todos os invertebrados e o nosso
cérebro são dotados da mesma freqüência de 7,83 hertz.E a vida se
desenvolvia em relativo equilíbrio ecológico.
Ao retornarem à Terra, tanto os astronautas russos como os americanos que ficavam em órbita acima de 100 km, só conseguiam recuperar a
saúde e o equilíbrio quando submetidos a um “simulador Schumann”. Todavia,
a partir de 1980 e de forma mais acentuada a partir dos anos 90, a
freqüência passou de 7,83 para 11 e para 13 hertz por segundo. O coração
da Terra passou a pulsar mais rápido e provocou um acentuado
desequilíbrio; fez-se sentir: crescimento de tensões e conflitos em todo o
planeta, perturbações climáticas, até furacão no Brasil e “até o aumento
Devido a aceleração geral, a jornada de 24 horas, na verdade, é somente de 16 horas. Portanto, a percepção de que tudo está passando rápido demais não é mais ilusória, mas teria base real neste transtorno da ressonância Schumann, afirma Leonardo Boff, que completa: “Cosmólogos e biólogos confirmam que Gaia, a Mãe Terra, é, efetivamente, um
superorganismo vivo e que a Terra e a humanidade formam uma única
entidade”.
O texto está na Internet no Blog OFICINA DE IDÉIAS – (O Blog do Thede) (theodiano.blog.terra.com.br e ongcepa.blog.terra.com.br).
(*) Theodiano Bastos é escritor, autor dos livros: O Triunfo das Idéias, A Procura do Destino e coletâneas e é idealizador e presidente do Círculo de Estudo, Pensamento e Ação – CEPA – ES www.proex.ufes.br/cepa

Nenhum comentário:

Postar um comentário